Secretário de Saude exonera corregedor e 5 auditores da pasta no RJ

Decreto foi publicado no Diário Oficial do Estado do RJ; Thiago Couto Lage e os auditores conduziam várias investigações sobre gastos da pasta

Thayana Araújo, da CNN, no Rio de Janeiro
29 de setembro de 2020 às 14:57 | Atualizado 29 de setembro de 2020 às 16:25
O secretário estadual de Saúde do RJ, Carlos Alberto Chaves de Carvalho
Foto: Divulgação/ Secretaria de Saúde do Rio

O novo secretário estadual de Saúde do RJ o médico Carlos Alberto Chaves de Carvalho , exonerou hoje (29/09) seis auditores do estado que estavam nomeados na Subsecretaria de Controladoria Geral da Secretaria de Saúde. 

A medida gerou preocupação pelo fato do órgão ser o principal responsável pela ficalização interna de gastos executados pela Secretaria Estadual de Saúde do RJ.     

Assista e leia também:

Governador interino do Rio anuncia os novos secretários de Educação e Saúde
Cláudio Castro também precisa se explicar, diz relator do impeachment de Witzel
Diretor do Iabas denuncia 'conspiração' na Saúde do Rio de Janeiro

Os profissionais , segundo fontes ouvidas pela CNN , estavam com vários procedimentos apuratórios em andamento instaurados na saúde do estado do RJ. 

Um dos exonerados pelo novo secretário da pasta era o Corregedor da Secretaria de Estado de Saúde Thiago Couto Lage. 

O agora ex-corregedor da saúde criou em julho deste ano uma comissão para apurar responsabilidades administrativas na contratação da Organização Social Iabas para construção e gestão dos hospitais de campanha durante a pandemia do novo coronavírus .  

Na gestão de Lage, a Corregedoria Geral da Secretaria de Saúde identificou várias irregularidades na saúde – entre elas, o fato da proposta feita pela Iabas ser anterior ao dia 26 de março, quando aconteceu a abertura do processo de licitação.

A corregedoria também havia detectado outros problemas. Dentre eles :

proposta do Iabas como a única a ser enviada ao processo licitatório; contratação feita sem análise jurídica e falta de comprovação de qualificação da OS. 

Dias antes de ser exonerado, Lage informou à Controladoria Geral do Estado do RJ sobre investigações abertas por ele sobre a compra de respiradores e construção de Hospitais de Campanha envolvidas na questão da pandemia de Covid-19.

Com base na Lei Anticorrupção (LAC), ele pediu a instauração de Processos Administrativos de Responsabilização (PAR) contra as empresas prestadoras desses serviço. 

No documento enviado no dia 22 de setembro, à Controladoria Geral do Estado (GCE), Lage mencionou a “dificuldade para a continuidade dos trabalhos” e solicitou reunião com o secretário estadual de Saúde à época , Alex Bousquet - que entregou o cargo no dia 17 de setembro.    

Além do Corregedor de Saúde, Chaves de Carvalho exonerou outros cinco auditores: Eduardo Waga, Robson Ramos Oliveira, Marcelle Medeiros de Souza, Andre Lemgruber Asth e Luciano Batista Vilhete. Todos esses cargos já estão vagos. 

A lista das seis exonerações já havia sido inserida no Sistema eletrônico de Informações no dia 16 de setembropelo então secretário de saúde Alex Busquet, mas somente neste dia 29 /09 elas foram publicadas no Diário Oficial do Estado do RJ.    

Em nota , a Secretaria Estadual de Saúde do RJ informou que nas últimas semanas, houve mudanças no Governo do Estado e na Secretaria de Estado de Saúde. A assessoria de imprensa da pasta disse ainda que na nova gestão, não cabe mais o perfil dos exonerados e que os cargos vagos serão preenchidos, e em breve a Secretaria de Estado de Saúde voltaria a ter sua estrutura completa, inclusive na área de Controle Interno.

Construção de hospital de campanha no Rio de Janeiro durante pandemia de coronavírus
Foto: Lucas Landau - 2.abr.2020/Reuters

Com base na Lei Anticorrupção, ele pediu a instauração de Processos Administrativos de Responsabilização contra as empresas prestadoras desses serviço.

No documento enviado na terça-feira (22), à GCE, Lage mencionou a “dificuldade para a continuidade dos trabalhos” e solicitou reunião com o secretário estadual de saúde Alex Bousquet – que entregou o cargo no dia 17 de setembro.

Além do Corregedor de Saúde, Castro exonerou outros cinco auditores: Eduardo Waga, Robson Ramos Oliveira, Marcelle Medeiros de Souza, Andre Lemgruber Asth e Luciano Batista Vilhete. Todos esses cargos já estão vagos.

Assista e leia também:

Alesp aprova quebra de sigilo bancário do Iabas, gestor do hospital do Anhembi
Pastor Everaldo influenciou contratos de hospitais de campanha, diz delator

A lista das seis exonerações já havia sido inserida no Sistema eletrônico de Informações no dia 16 de setembro pelo então secretário de saúde Alex Busquet, mas somente nesta terça (29) elas foram publicadas no Diário Oficial do Estado do RJ.

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde informou que nas últimas semanas, houve mudanças no governo e na própria pasta.

A assessoria de imprensa da secretaria disse ainda que na nova gestão, não cabe mais o perfil dos exonerados, que os cargos vagos serão preenchidos, e em breve a Secretaria de Estado de Saúde voltará a ter sua estrutura completa, inclusive na área de controle interno.