Rosa Weber suspende decisão do Conama que retira proteção a restinga e manguezal


Gabriela Coelho, da CNN, em Brasília
29 de outubro de 2020 às 10:48 | Atualizado 29 de outubro de 2020 às 14:33

 

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu nesta quinta-feira (29) a decisão do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) que revogou regras de proteção a áreas de manguezais e de restingas. Agora, voltam a vigorar as normas que asseguravam a preservação destas áreas.

“Há um aparente estado de anomia e descontrole regulatório, a configurar material retrocesso no tocante à satisfação do dever de proteger e preservar o equilíbrio do meio ambiente, incompatível com a ordem constitucional e o princípio da precaução e um elevado risco de degradação de ecossistemas essenciais à preservação da vida sadia, comprometimento da integridade de processos ecológicos essenciais e perda de biodiversidade”, disse Rosa. 

Segundo a ministra, a revogação de normas operacionais fixadoras de parâmetros mensuráveis necessários para o devido cumprimento da legislação, tal como se deu, sem que se procedesse à sua substituição ou atualização, compromete não apenas o cumprimento da legislação como a observância de compromissos internacionais. 

“O ímpeto, por vezes legítimo, de simplificar o direito ambiental por meio da desregulamentação não pode ser satisfeito ao preço do retrocesso na proteção do bem jurídico”, disse. 

Assista e leia também:
TRF mantém decisão do Conama que retira proteção a restingas e manguezais
Permissão para exploração de manguezais causa apreensão em pescadores no RJ
Rosa Weber dá 48 horas para Salles se manifestar sobre revogação de resoluções

Área de manguezal às margens do rio Tatuamunha, no Recife (PE)

Área de manguezal às margens do rio Tatuamunha, no Recife (PE)

Foto: Epitácio Pessoa/Estadão Conteúdo (20/10/2012)

Rosa ainda que o Estado brasileiro tem o dever – imposto tanto pela Constituição quanto por tratados internacionais dos quais é signatário – de manter política pública eficiente de defesa e preservação do meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem como de preservar e restaurar os processos ecológicos essenciais. 

“Ao estabelecer parâmetros normativos definidores de áreas protegidas, o Poder Público está vinculado a fazê-lo de modo a manter a integridade dos atributos ecológicos que justificam a proteção desses espaços territoriais”.

O que dizem as resoluções do Conama?

A Resolução 284/2001 classificava os empreendimentos de irrigação em categorias, conforme a dimensão efetiva da área irrigada e o método de irrigação empregado no projeto, além de exigir a apresentação de estudos dos impactos ambientais. 

Já a Resolução 302/2002 determinava que os reservatórios artificiais mantenham faixa mínima de 30 metros ao seu redor como Área de Proteção Ambiental (APP). E a Resolução 303/2002 previa parâmetros e limites às APPs e considerava que as áreas de dunas, manguezais e restingas têm função fundamental na dinâmica ecológica da zona costeira.

Assista e leia também:
Para Ricardo Salles, revogação de portarias reduz burocracia
Salles diz que converge com ministra sobre boi ser o bombeiro do Pantanal
Tratamento com pele de tilápia é usado em animais feridos no Pantanal

A ação em análise foi apresentada pelo PT. Para a legenda, essas normas configuravam uma evolução no desenvolvimento nacional sustentável e na manutenção das zonas naturais preservadas, visando conter o “avanço desmedido e irresponsável” de empreendimentos que utilizam recursos hídricos, potencial de exploração turística e ecológica para a obtenção de lucros.

A legenda argumenta ainda que a revogação das resoluções, sem outras regras que garantam o mesmo patamar de proteção, viola o artigo 225 da Constituição, que assegura o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, e impõe ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e as futuras gerações.