Lava Jato: filhos de ex-ministro Edison Lobão são alvos de operação da PF


Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo
12 de janeiro de 2021 às 07:42 | Atualizado 12 de janeiro de 2021 às 19:32


A Polícia Federal realiza nesta terça-feira (12) a 79ª Fase da Lava Jato, denominada Operação Vernissage. Entre os alvos da ação estão Márcio Lobão e Edison Lobão Filho, filhos de Edison Lobão (MDB), ex-ministro de Minas e Energia (2008 a 2014).

A operação, que tem apoio do Ministério Público Federal (MPF) e da Receita Federal, apura um esquema de “fraudar o caráter competitivo” de licitações com o pagamento de propina a altos executivos da Petrobras e de outras empresas ligadas a ela, como a Transpetro. 

Ao menos 70 policiais federais e 10 auditores da Receita Federal cumprem 11 mandados de Busca e Apreensão em Brasília/DF, São Luís/MA, Angra dos Reis/RJ e em São Paulo (2). Os mandados foram expedidos pela 13ª Vara Federal em Curitiba/PR.

“Suspeita-se que os contratos celebrados pela Transpetro com algumas empresas teriam gerado, entre os anos de 2008 e 2014, o pagamento de mais de R$12 milhões em propinas a este grupo criminoso”, disse a PF, em nota.

Assista e leia também:
Lava Jato: PF faz operação no RJ e apura crimes na diretoria da Petrobras
Aras concede amplo compartilhamento de dados sigilosos da Lava Jato
Relembre todas as fases da Operação Lava Jato

Polícia Federal em operação contra desvios na Petrobras
Polícia Federal em operação contra desvios na Petrobras
Foto: Divulgação/PF

Segundo a investigação, após o recebimento da propina eram realizadas “várias operações de lavagem de capitais” para ocultar sua origem ilícita, especialmente, através da aquisição de obras de arte e transações imobiliárias. 

“No caso das obras de arte, tais operações consistiam na aquisição de peças de valor expressivo com a realização de pagamento de quantias ‘por fora’, de modo que não ficassem registrados os reais valores das obras negociadas. Neste caso, tanto o comprador, quanto o vendedor emitiam notas fiscais e recibos, mas declaravam à Receita Federal valores flagrantemente menores do que aqueles efetivamente praticados nas transações”, afirmou a PF. 

Desdobramento da 65ª fase

De acordo com o MPF, a operação desta terça é um desdobramento da 65ª fase da Lava Jato, realizada em setembro de 2019, para possibilitar o "aprofundamento de investigações sobre possíveis atos de lavagem de dinheiro relacionados a crimes praticados contra a Transpetro entre 2005 e 2014".

Naquela ocasião, a Operação Galeria teve como alvo Márcio Lobão, filho do ex-ministro Edison Lobão. De acordo com o MPF, um escritório de advocacia ligado à família Lobão, no Rio, recebia dinheiro decorrente de pagamentos indevidos.

"Um dos objetivos da operação é a apreensão de mais de cem obras de arte adquiridas por investigado que também já é réu em ação penal na Lava Jato. A apreensão não apenas permitirá que as obras sejam periciadas pelo corpo técnico da Polícia Federal, como garantirá a plena efetividade das penas de perdimento, reparação de danos e pagamento de sanções pecuniárias que eventualmente venha a ser impostas ao réu na ação penal em curso", disse, também em nota, o MPF.

Em nota, a Transpetro afirmou que, "desde o princípio das investigações, colabora com o Ministério Público Federal e encaminha todas as informações pertinentes aos órgãos competentes". "A companhia reitera que é vítima nestes processos e presta todo apoio necessário às investigações da Operação Lava Jato", complementa o comunicado.

(Com informações de Vianey Bentes, da CNN, em Brasília)