RJ tem média de mais de 3 eventos interditados por dia por causa da aglomeração

Nos últimos dois meses, quase 200 eventos precisaram ser interrompidos, segundo o Corpo de Bombeiros

Cleber Rodrigues e Lucas Janone, da CNN, no Rio de Janeiro
26 de janeiro de 2021 às 13:13
Rio de Janeiro tenta impedir a realização de festas com aglomeração
Foto: Reprodução/CNN

Nem as quase 29 mil vidas perdidas pela Covid-19 no Rio de Janeiro, tampouco os decretos municipais e estaduais de combate à doença, foram suficientes para conscientizar parte da população fluminense sobre os riscos da aglomeração durante a pandemia.

Segundo o Corpo de Bombeiros, nos últimos dois meses quase 200 eventos com aglomeração foram interditados em todo o estado do Rio de Janeiro. Isso dá uma média de mais de 3 festas interrompidas por dia. Os grupos de intervenção rápida da corporação fizeram mais de 700 fiscalizações em estabelecimentos e o 193, número para emergências, recebeu mais de 530 ligações com denúncias do tipo.

De acordo com decreto estadual, em vigência desde novembro de 2020, os produtores de eventos devem garantir o distanciamento social, o uso da máscara, a oferta de álcool 70%, além de limitar o público a 50% da capacidade total.

Na cidade do Rio, shows ao vivo estão proibidos, assim como a utilização de pistas de dança e a permanência dos clientes em pé. Ainda assim, os agentes têm se deparado com a reincidência no desrespeito aos decretos municipais. Só no último fim de semana, a prefeitura fez 69 inspeções em toda a cidade. Foram aplicadas 41 multas por infrações sanitárias e oito estabelecimentos foram interditados.

No último balanço do mapa da Covid-19 no município, a prefeitura divulgou que todas as 33 regiões administrativas estão com alto risco de contaminação pelo coronavírus. Como medidas de prevenção, o executivo impediu a realização da tradicional roda de samba da Pedra do Sal, na Zona Portuária, e prometeu intensificar as ações contra aglomerações. Em seu discurso na coletiva de imprensa, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, chegou a usar expressões como “delinquentes” e “irresponsáveis” para definir as pessoas que estão colocando a vida dos cariocas em risco.

Em todo o estado, já foram confirmados mais 500 mil casos da Covid-19 e o vírus já tirou a vida de 28.856 pessoas.