SP concentra em hospital municipal atendimento a casos de variantes da Covid-19

A prefeitura de São Paulo decidiu destinar o Hospital Municipal Dr. José Soares Hungria, em Pirituba, para tratamento de pacientes com novas variantes

Da CNN, em São Paulo*
28 de janeiro de 2021 às 00:51
São Paulo tem casos das variantes da Covid-19 registradas primeiro em Manaus e no Reino Unido
Foto: Ernesto Carriço/Enquadrar/Estadão Conteúdo

 

Em nota, a prefeitura de São Paulo informou que, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), orientou a hospitais da cidade a notificação imediata de casos suspeitos de síndromes respiratórias de pacientes provenientes do Reino Unido e de Manaus, regiões onde recentemente foram registradas novas variantes da Covid-19 já presentes no Brasil.

Diante de casos das novas variantes, consideradas mais contagiosas,, a SMS decidiu destinar o Hospital Municipal Dr. José Soares Hungria, em Pirituba, Zona Oeste da capital, para tratamento de casos relacionados às novas cepas. Foram reservados 10 leitos, totalmente isolados, para que os pacientes possam ser atendidos. Em caso de necessidade, a unidade pode ampliar este espaço.

 

Questionada, a Secretaria Municipal de Saúde disse que, no momento, há apenas uma pessoa internada; outro paciente deverá chegar nesta quinta vindo de outro hospital.

Nos casos suspeitos das novas variantes, a prefeitura também orienta a investigação laboratorial com coleta de material para RT-PCR e envio para o Laboratório de Referência em Saúde Pública do Instituto Adolfo Lutz - Central, para sequenciamento genético.

Em São Paulo, já foram confirmados três casos da variante de Manaus, sendo um residente no município de São Paulo e dois residentes em Manaus. E, dois casos para a variante do Reino Unido, um deles reside na capital, o segundo é morador de Londres.

Nos casos suspeitos de Covid-19, a prefeitura de São Paulo orienta o isolamento e monitoramento dos paciente, além de seus contatos próximos, em ação coordenada pela Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa) em parceria com as 28 Unidades de Vigilância em Saúde (UVIS) da capital.

* Com informações de André Rosa, da CNN