Raro no verão, ciclone bomba se forma na fronteira entre Brasil e Uruguai

Região brasileira mais afetada pelo fenômeno será o sul do Rio

Bruna Ostermann, da CNN, em Porto Alegre
04 de fevereiro de 2021 às 11:59
Região brasileira mais afetada pelo fenômeno será o sul do RS
Foto: WikiImages/Pixabay

Um ciclone extratropical com característica explosiva se forma próximo à fronteira do Brasil com o Uruguai, no sudeste do Rio Grande do Sul. O fenômeno, conhecido como "ciclone bomba", é raro no verão.

"Ele ocorre quando tem formação explosiva com queda na pressão atmosférica superior a 24 hPa em 24 horas, ou seja,  quando a pressão cai numa taxa de 1 hpa por hora. Esse fenômeno ocorre em latitudes maiores, mais ao sul, e geralmente nos meses de inverno por isso totalmente atípico", explica a meteorologista Estael Sias.

 

A região brasileira mais afetada pelo fenômeno será o sul gaúcho. "Vento ainda vai ganhar força especialmente no sul e leste. A chuva diminui na maioria das áreas. Apenas o extremo sul pode ter chuva volumosa. Pior em alto mar", completa.

Na manhã desta quinta-feira, a cidade de Santa Vitória do Palmar já registrou ventania de 80km/h, de acordo com a MetSul Meteorologia. Mas as rajadas podem ficar ainda mais fortes, chegando a 100km/h. Na Região Metropolitana de Porto Alegre, a velocidade pode atingir 70 km/h.

A Marinha emitiu alerta para a força do vento até o fim de sexta-feira e para ressaca do mar até sábado. 

O ciclone extrartropical também dá origem a uma frente fria, que causa chuva forte e localizada em Santa Catarina e no Paraná, nesta quinta-feira. E a instabilidade deve subir e atingir os estados do Sudeste e Centro-Oeste sexta, sábado e domingo.