Festa em cidade turística do RJ revolta moradores

Organizadores do evento em Cabo Frio dizem que normas de prevenção ao novo coronavírus foram seguidas; fiscalização interdita 14 estabelecimentos na capital

Thayana Araujo e Isabelle Saleme, da CNN, no Rio de Janeiro
14 de fevereiro de 2021 às 11:24 | Atualizado 14 de fevereiro de 2021 às 14:51

Faltou bom senso aos frequentadores de uma festa que aconteceu em um restaurante famoso, próximo da Prefeitura de Cabo Frio, na Região dos Lagos. Na noite deste sábado (13), as cenas que o poder público tanto alertou para serem evitadas aconteceram.

O estabelecimento é coberto, mas a CNN recebeu imagens do evento com aglomeração, música alta e jogo de luzes que davam o tom da falta de preocupação com fiscalização e multa. O estado do RJ já registra mais de 30 mil mortes por Covid-19.   

Moradores da cidade contam terem tentado denunciar o evento programado para acontecer até a próxima terça-feira (16), aos órgãos competentes através dos telefones disponibilizados, mas os números não funcionam.

A CNN entrou em contato com a prefeitura de Cabo Frio, sobre o problema, mas ainda não teve resposta. Os organizadores da festa informaram que seguem todas as normas de prevenção ao coronavírus.    

Blocos, festas e bailes carnavalescos estão proibidos em Cabo Frio. Equipes da Prefeitura estão fazendo, inclusive, um monitoramento nas redes sociais para catalogar todos os anúncios de eventos clandestinos.

O Decreto Municipal estabelece ainda que bares e restaurantes de Cabo Frio funcionem todos os dias até meia noite, limitando a capacidade em 50% e respeitando o distanciamento de 2 metros entre as pessoas.

A fiscalização nas ruas foi intensificada e a Secretaria de Segurança de Cabo Frio enfatizou que o órgão não vai tolerar aglomerações, festas clandestinas e som alto nas ruas. Desde sábado (13), equipes da Guarda Civil Municipal estão nas ruas com 70 guardas, apoiando às operações da Fiscalização de Posturas, que conta com 86 agentes.

No início de fevereiro a prefeitura de Cabo Frio estimou que o município receberia em torno de 300 mil visitantes no feriado. No ano passado e em 2019, a estimativa era de 700 mil turistas. A taxa de ocupação dos meios de hospedagem em Cabo Frio está em torno dos 40%, ou seja, menos da metade dos quartos estão reservados.

Festa em Cabo Frio
Festa em cidade turística do RJ revolta moradores
Foto: Divulgação

Cabo Frio chegou a decretar a exigência de teste negativo de Covid-19 para as pessoas entrarem na cidade, mas a obrigatoriedade de apresentação do exame foi suspensa dias depois.        

Outras cidades próximas de Cabo Frio estão com decretos em vigor proibindo festas de carnaval. A Prefeitura de Saquarema publicou, em edição extra do Diário Oficial, os cancelamentos de eventos estipula outras providências para evitar qualquer tipo de aglomeração nas ruas, em espaços públicos e privados nos dias de festividades carnavalescas do ano de 2021.

Em Iguaba Grande, está proibida a realização de festas e eventos de carnaval em todo território. Em Búzios, barreiras sanitárias estão com efetivo dobrado e funciona também de forma volante, em pontos e horários estratégicos com intenção de inibir a entrada de turistas que não possuam QRCODE e para fiscalizar e orientar as medidas de enfrentamento ao Covid-19.

Estabelecimentos interditados no Rio

Agentes de diversos órgãos da prefeitura do Rio de Janeiro aplicaram multas e interditaram estabelecimentos em diferentes partes da cidade durante operação de combate a aglomerações irregulares no período de carnaval.

Desde a sexta-feira (12), o total de interdições chega a 14, em um universo de 43 inspeções sanitárias, das quais 25 resultaram em autos de infração.

Segundo balanço divulgado no início da tarde deste domingo (14) pela Secretaria Municipal de Ordem Pública, 4 estabelecimentos foram interditados entre a noite de sábado (13) e a madrugada de domingo. A fiscalização também determinou o fechamento de um bar e de um veículo de food truck na Ilha do Governador entre a manhã e a tarde de sábado.

Bares e restaurantes estão autorizados a abrir na cidade do Rio de Janeiro, mas precisam seguir as recomendações para o nível de risco alto de transmissão de covid-19, segundo classificação do último boletim epidemiológico.

Entre as obrigações estão não vender bebidas a clientes sentados e manter os conjuntos de mesas e cadeiras a 1,5 metro de distância uns dos outros. Também não é permitida a apresentação de música ao vivo. Já as boates só podem funcionar com 1/4 da capacidade de público, sem pista de dança nem música ao vivo.

Na noite de sábado e madrugada de domingo, fiscais conferiram denúncias de eventos na Barra da Tijuca, no Recreio dos Bandeirantes, em Ipanema, na Gávea e na Lagoa. Também houve fiscalização no Leblon e na Tijuca.

O resultado foi a aplicação de sete multas e a interdição de quatro estabelecimentos, além da apreensão de equipamentos de som em três casos. Em um bar no Joquei Club, os fiscais flagraram um baile de carnaval com centenas de pessoas, que foram dispersadas após a interdição da casa e a apreensão dos equipamentos de som. Já no Recreio, os fiscais coibiram aglomerações na Praça Seis, onde dois estabelecimentos e um food truck foram interditados.

No Leblon, agentes da Guarda Municipal precisaram fazer a desobstrução da Rua Dias Ferreira, que vem repetidamente registrando aglomerações durante a pandemia. Caixas de som foram apreendidas, bares receberam autuações de infrações sanitárias e até uma banca de jornal que vendia bebidas alcóolicas teve o material apreendido. 

A operação de prevenção a aglomerações no carnaval seguirá até o dia 22 de fevereiro. Escolas de samba e blocos de carnaval oficiais se comprometeram a não promover aglomerações este ano. Os blocos que desrespeitarem as medidas de prevenção serão descredenciados do carnaval de 2022.

(Com informações da Agência Brasil)