Quarta-feira de cinzas marca primeiro dia de vacinação suspensa no Rio

Município só tem reserva de vacina para quem já recebeu a primeira dose; não há prazo para normalização

Stéfano Salles, da CNN, no Rio de Janeiro
17 de fevereiro de 2021 às 13:26 | Atualizado 17 de fevereiro de 2021 às 13:29
Rio só tem doses para garantir a segunda aplicação em quem já recebeu a primeira
Rio só tem doses para garantir a segunda aplicação em quem já recebeu a primeira
Foto: Wilton Junior/Estadão Conteúdo

A quarta-feira de cinzas tradicionalmente marca o fim do Carnaval. Mas, para o carioca, a data está associada também à interrupção da vacinação contra a Covid-19 em todo o Rio de Janeiro. Isto porque as doses para primeira imunização chegaram ao fim na terça-feira (16) e não há previsão para a chegada de uma nova remessa. Agora, o município só tem reservadas aquelas que estão separadas para a segunda dose dos que já receberam a primeira.

No Rio já foram vacinadas 283.866 pessoas, segundo o vacinômetro da prefeitura, atualizado por último na terça-feira, às 20h25. O município acredita que o calendário de vacinação ficará suspendo por, pelo menos, uma semana.

O Rio foi a primeira capital brasileira a ficar sem doses para imunizar mais cidadãos. Ainda há vacinas em outras cidades, mas elas são reservadas para moradores, dentro da faixa etária que está sendo vacinada em cada município. Isso é descentralizado. Nesta quarta-feira, acabaram as vacinas de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Pela manhã, houve um pequeno tumulto durante vacinação realizada no Hospital do Olho.

O local tinha mil doses para aplicação em duas filas, uma de drive-thru, e outra de pedestres. As vacinas dos pedestres acabaram primeiro e isso gerou reclamações, mas logo surgiram mais imunizantes e a vacinação continuou, até que todas as doses chegassem ao fim, por volta de 11h20.

Em algumas localidades, a vacinação foi interrompida durante o Carnaval, por causa do feriado de terça-feira, do ponto facultativo de segunda-feira, e do fato de na maioria dos lugares as unidades básicas de saúde não funcionarem nos finais de semana, casos de Magé, Nilópolis e São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Esses locais ainda têm vacinas.

Segunda cidade mais populosa do estado, com 1,1 milhão de habitantes, São Gonçalo, na região metropolitana, estima que suas doses durem até o fim de semana. Na terça-feira, a CNN flagrou uma aglomeração formada por idosos à espera de vacina e uma fila que dava volta no quarteirão de um posto de saúde da cidade. Para quem estava no drive-thru, a espera chegava a duas horas.