Estados incluem policiais e professores na lista de prioridade para vacina

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) defendeu prioridade de categorias na vacinação contra a Covid-19

Gregory Prudenciano, da CNN, em São Paulo
30 de março de 2021 às 22:17 | Atualizado 30 de março de 2021 às 22:32

Sete estados e o Distrito Federal decidiram incluir profissionais da segurança pública como grupos prioritários para a vacinação contra a Covid-19. Já foram divulgadas as datas para vacinação destes profissionais no Pará (28 de março), Amazonas (28 de março), Goiás (29 de março), São Paulo (5 de abril) e Espírito Santo (15 de abril). 

Em Rondônia e no Rio de Janeiro as doses devem ser aplicadas em abril, mas ainda não há data definida. No Distrito Federal, policiais podem ser vacinados com sobras das vacinas que já estão sendo aplicadas. 

Também os profissionais da educação, especialmente os professores, estão sendo incluídos no cronograma de vacinação. Em São Paulo, a data prevista é 12 de abril, enquanto no Espírito Santo é 15 de abril. Rondônia e Rio de Janeiro dizem que professores serão vacinados em abril, sem mais especificações, e no Distrito Federal vale a mesma regra que para os policiais. 

Nesta terça-feira (30), o Consórcio Nordeste, que inclui todos os estados da região, pediu ao Ministério da Saúde para que policiais e professores sejam grupos prioritários no Plano Nacional de Imunização (PNI).

O presidente do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) defendeu que essas categorias sejam privilegiadas no combate à pandemia. 

"Defenderei a vacinação o mais brevemente possível na inclusão de prioridades das forças de segurança pública no Brasil para que sejam mais rapidamente vacinadas. E, igualmente, os profissionais da educação, os professores, que precisam ser vacinados porque precisamos de uma previsão de retomada do ensino do Brasil", disse Pacheco nesta terça-feira, em entrevista coletiva.