Nunes Marques descarta vista e deve abrir divergência em relação a Gilmar Mendes

O plenário do Supremo julga  ações que tratam da abertura de igrejas e liberação de cultos religiosos durante o agravamento da pandemia da Covid-19

Kenzô Machida, da CNN, em Brasília
07 de abril de 2021 às 14:40

 O ministro Nunes Marques, do STF (Supremo Tribunal Federal), descartou a interlocutores um pedido de vista e disse que vai votar no julgamento desta quarta-feira (7), quando a corte vai analisar a liberação de atividade religiosas. Nunes Marques deve abrir divergência com Gilmar Mendes, relator dos pedidos do Conselho Nacional de Pastores do Brasil e do Partido Social Democrático (PSD) para derrubar o decreto do governo de São Paulo que vetou atividades religiosas coletivas presenciais durante as fases mais restritivas do plano de combate ao novo coronavírus.

 

O plenário do Supremo julga  ações que tratam da abertura de igrejas e liberação de cultos religiosos durante o agravamento da pandemia da Covid-19. A análise ocorre após os ministros Kassio Nunes Marques e Gilmar Mendes tomarem decisões discordantes sobre o assunto.

Ministro Kassio Nunes Marques
Ministro Kassio Nunes Marques durante sessão solene de posse no STF (5.nov.2020)
Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF