Polícia investiga ex-técnico de natação por denúncia de abuso sexual em Manaus

Novo inquérito policial contra o ex-técnico de natação e ex-presidente da Federação Amazonense de Desportes Aquáticos Vitor Hugo Lopes Façanha foi aberto

José Brito, da CNN, em São Paulo
26 de abril de 2021 às 19:11 | Atualizado 26 de abril de 2021 às 19:21
Botinho
Presidente da Federação Amazonense de Desportos Aquáticos (Fada), Vitor Hugo Lopes Façanha, conhecido como "Botinho”
Foto: Reprodução/CNN Brasil

A Polícia Civil do Amazonas confirmou, nesta segunda-feira (26), que um novo inquérito policial contra o ex-técnico de natação e ex-presidente da Fada (Federação Amazonense de Desportes Aquáticos) Vitor Hugo Lopes Façanha foi aberto pela Delegacia Especializada na Proteção de Crianças e Adolescentes (Depca) por denúncias de abuso sexual de nadadoras de 11 a 17 anos. “Botinho”, como é conhecido no meio esportivo, nega as acusações

O caso está sendo acompanhado pelo delegado titular interino da delegacia especializada, Paulo Benelli, com as medidas investigativas já em curso. “As diligências são realizadas sob sigilo legal. Por este motivo, a Depca não irá se pronunciar, nem informar a fase da investigação”, diz em nota a Polícia Civil do Amazonas.

Em 19 de dezembro do ano passado, a CNN revelou com exclusividade relatos de oito ex-nadadoras de Manaus que dizem terem sido abusadas sexualmente quando eram crianças e adolescentes treinadas por Vitor Hugo. Uma das garotas trava uma sigilosa e solitária batalha judicial contra o ex-técnico desde 2018. Os casos teriam ocorrido entre os anos de 2008 e 2017.

Dois dias após a exibição das entrevistas à CNN com denúncias contra Vitor Hugo, no dia 21 de dezembro, o Ministério Público do estado instaurou uma notícia-crime - uma espécie de procedimento administrativo - para apurar os fatos denunciados pelas possíveis vítimas.

Esse material baseou o pedido de investigação policial solicitado pela promotora Simone Martins Lima, da 101ª Promotoria de Justiça de Manaus, no dia 26 de março. No documento, ela pede que a delegacia informe se já havia sido aberta investigação ou, caso negativo, fosse instaurado um inquérito policial para apurar as denúncias de assédio sexual contra o, na época, presidente da Fada. 

No despacho a que a reportagem teve acesso, também é ordenado sigilo nível 3, em que a visualização dos autos é permitida somente aos servidores internos do órgão da Justiça, por conta de o caso envolver menores de idade. 

Procurado, Vitor Hugo - que retirou a sua candidatura de reeleição para a federação, em 29 de dezembro - disse que não comentará a nova investigação policial que sofre e se pronunciará através de seu advogado. Mas, até o momento, não passou o contato da pessoa responsável pela sua defesa.