SP: Governo dará bolsa de R$ 500 para parentes de alunos trabalharem em escolas

Programa 'Bolsa do Povo - Educação' contratará 20 mil pais e responsáveis por alunos da rede estadual para auxiliar a volta às aulas no segundo semestre

Luana Franzão*, da CNN, em São Paulo
14 de julho de 2021 às 13:39
Sala de aula
Estudantes acompanham aula em escola na Zona Leste da capital paulista, em 15/06/2021
Foto: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo

Em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (14), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou uma vertente do programa 'Bolsa do Povo' voltado para a Educação. Nele, pais e responsáveis de alunos poderão se candidatar para trabalhar em escolas estaduais e receber uma remuneração mensal de R$ 500.

O expediente será de quatro horas diárias e entre as funções previstas estão a busca ativa de alunos, apoio à educação especial, acompanhamento de protocolos sanitários e apoio geral à escola.

O estado estabeleceu critérios para a seleção dos candidatos, que serão entrevistados para a vaga. Entre eles estão: ser o responsável legal por um aluno da rede estadual, estar desempregado há pelo menos três meses e morar próximo à escola. Será dada a prioridade para mães, em detrimento de pais, para aqueles que possuem filhos estudando na unidade específica na qual se candidataram, e para idades maiores.

A Secretaria da Educação do estado afirma que contratará 20 mil pessoas, que devem assumir os postos em agosto, a depender da velocidade da seleção por parte das escolas. As inscrições para o programa começarão em 19 de julho e serão encerradas no dia 31 do mesmo mês, no site do Bolsa do Povo.

O investimento total, de acordo com o secretário da Educação de São Paulo, Rossieli Soares, será de R$ 60 milhões. João Doria disse que há possibilidade do programa ser extendido até 2022.

"Teremos o maior desafio da história da Educação, que é garantir que esses alunos venham e permaneçam dentro da escola. No segundo semestre e o próximo ano serão dos mais difíceis da nossa história, que é onde vamos ver o tamanho do abandono da Educação. Juntar forças com as famílias será fundamental."

Rossieli Soares, secretário da Educação do estado de São Paulo

 

*sob supervisão