Alerj tem tentativa de invasão em discussão de veto a passaporte da vacina

Manifestantes favoráveis a projeto que veta discriminação a não vacinados foram contidos pela segurança do legislativo fluminense

Pedro Duranda CNN

Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Um grupo de manifestantes entrou em confronto com seguranças da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro na tarde desta quarta-feira (8), em meio à votação de um projeto de lei que criminaliza o passaporte da vacina no Rio de Janeiro.

Tudo começou quando um grupo de manifestantes favoráveis ao projeto tentou entrar na galeria da Alerj. Acontece que o limite de 70 pessoas estabelecido pela presidência já tinha sido alcançado. Apesar da recusa dos seguranças, os manifestantes tentaram furar o bloqueio e houve confusão, empurra-empurra e bate-boca. Nas imagens é possível ver algumas pessoas sendo empurradas, agarradas e perseguidas por seguranças e outras avançando contra o cordão de isolamento.

Quando a confusão começou, o presidente da Assembleia, André Ceciliano (PT), disse que retiraria as pessoas da galeria superior ao plenário. “Vamos ter calma, se continuar vou parar a sessão. É proibido ficar na galeria sem mascara. Vou acionar a seguraça e vocês vão ser retirados”, afirmou no microfone. Ele ameaçou retirar o projeto da pauta, mas isso não aconteceu.

Ceciliano viajou a Brasília e a deputada Tia Ju (Republicanos) assumiu a presidência. Ela chegou a interromper novamente a sessão depois de um bate boca entre deputados favoráveis e contrários ao projeto. Por quatro votos a três, o projeto teve sinal verde da Comissão de Constituição e Justiça, mas teve parecer desfavorável na Comissão de Saúde.

A todo momento, pessoas contrárias ao passaporte da vacina e à vacina em si vaiaram e aplaudiram as discussões da galeria, mesmo depois da confusão. No início da noite, o plenário foi esvaziado e restaram apenas deputados bolsonaristas favoráveis ao projeto, que acabou recebendo 57 emendas, que nesse caso funcionam como mecanismo pra dificultar a votação. O departamento de comunicação da Alerj disse que não há previsão de data para ele voltar à pauta.

A CNN apurou que, pelo fato de a confusão não ter tido feridos e nem dilapidação de patrimônio público, a Alerj decidiu não registrar boletim de ocorrência. Em nota, ela afirmou que um grupo de manifestantes “foi impedido pela segurança da Casa porque o limite máximo de ocupação das galerias estabelecido pelo Corpo de Bombeiros já tinha sido atingido e muitos estavam sem máscaras”. “No dia anterior à votação do projeto, a presidência da Alerj combinou com os autores que a votação só poderia ser acompanhada da galeria se respeitassem o uso de máscaras e o limite de pessoas. A confusão foi contida e a sessão prosseguiu com a discussão do projeto pelos deputados”, completa o comunicado.

O projeto prevê que ninguém seja proibido de acessar qualquer lugar, público ou privado, em decorrência da escolha de não se vacinar e proíbe a exigência do comprovante de vacinação por autoridades públicas ou superiores hierárquicos na iniciativa privada. A proposta inclui multa de R$ 2.964 a R$ 37.050 pra quem exigir o passaporte da vacina.

Mais Recentes da CNN