Ceará suspende ponto facultativo e anuncia medidas restritivas no Carnaval

Entra medidas determinadas pelo governador Camilo Santana estão o controle de entrada de veículos em Fortaleza e o funcionamento até 15h das barracas nas praias

Funcionários da Agência de Fiscalização de Fortaleza monitoram temperatura na entrada de shopping na capital cearense
Funcionários da Agência de Fiscalização de Fortaleza monitoram temperatura na entrada de shopping na capital cearense Foto: Thiara Montefusco - 12.jun.2020/Governo do Cará

Murillo Ferrari, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O governo do Ceará anunciou nesta quinta-feira (11) medidas de restrição e isolamento que estarão em vigor entre a sexta-feira (12) e a quarta-feira de cinzas (17), no período de Carnaval, para evitar a disseminação do novo coronavírus.

Além de proibir festas e cancelar o ponto facultativo na segunda (15) e terça-feira (16), o governo de Camilo Santana (PT) controlará a entrada de veículos na capital Fortaleza. O deslocamento será permitido apenas em situações específicas, como em casos de saúde, moradia, trabalho e transporte de cargas.

Além disso, nesse período também ficará suspenso o transporte intermunicipal de passageiros, individual ou coletivo. Apenas o transporte metropolitano será mantido.

As barracas de praia também enfrentarão restrições: o funcionamento será autorizado apenas até 15h em todos os dias – e não apenas aos sabados e domingos. Essa medida é válida para todo o estado.

As atividades em Parques Aquáticos, já proibidas em Fortaleza e Aquiraz, também serão suspensas no restante do estado durante o Carnaval.

Por fim, o decreto assinado por Santana também recomenda aos municípios com tradição turística que “sejam feitas barreiras sanitárias e tomadas medidas mais restritivas”.

“Estamos buscando acelerar ao máximo o processo de vacinação. O número de casos continua crescendo no Ceará, bem como a ocupação dos equipamentos de saúde, e somente com medidas de prevenção poderemos superar mais este momento difícil da pandemia”, afirmou Santana em nota divulgada no site do governo.

Mais Recentes da CNN