Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Chefes de MPs mostram preocupação com adesão de PMs a atos de 7 de setembro

    Procuradores fizeram reunião na semana passada para tratar do assunto; estados abriram apurações

    Leandro ResendeIuri Corsinida CNN

    No Rio de Janeiro

    Ouvir notícia

    Uma reunião dos chefes dos Ministérios Públicos de todos os estados do país, realizada na semana passada, teve como um dos principais temas a preocupação com a adesão de policiais militares aos atos marcados para o dia 7 de setembro.

    A informação é da presidente do Conselho de Procuradores-Gerais de Justiça dos MPs estaduais e da União (CNPG), Ivana Cei, procuradora-geral de Justiça do Amapá.

    Segundo ela, os procuradores acordaram em “tomar providências” para o caso de qualquer ato que possa “ferir o ordenamento jurídico vigente” e “atingir o Estado Democrático de Direito”.

    “Tudo será feito para assegurar a livre manifestação de pensamento e a liberdade de expressão a todos os cidadãos, com a garantia da segurança e da ordem pública”, afirmou.

    Momento preocupante

    Outros procuradores, como Fernando Comin, chefe do MP de Santa Catarina, destacaram que o momento é “muito preocupante”. “Ninguém é contra a pátria, a família e a ordem. Essas palavras não podem, jamais, ser usadas como pretexto ou pano de fundo para golpes e ataques à democracia”, afirmou.

    Nas últimas semanas, MPs de todo o Brasil abriram procedimentos para apurar a participação de PMs da ativa nos atos convocados para o feriado da Independência.

    No Mato Grosso, por exemplo, a CNN apurou que foi aberto um procedimento pela Promotoria de Justiça Criminal para saber se há monitoramento da movimentação de PMs de folga e que pretendem ir aos atos.

    O MP também pediu informações sobre o que a PM do estado já fez para impedir a presença de armas de fogo da corporação nos atos.

    Em resposta, a corporação mato-grossense informou que “monitora a situação em tempo real” e que a corregedoria é “contrária à participação de militares da ativa fardados nas manifestações de 7 de setembro”.

    Em Santa Catarina, o MP investiga “suposta participação de PMs em possíveis atos antidemocráticos”.

    No Rio de Janeiro, o MP abriu investigação para acompanhar um possível deslocamento de policiais militares de Niterói até a praia de Copacabana, na capital, onde será realizado um ato em defesa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

    Ao MP, a PM do Rio de Janeiro informou que “está monitorando a situação por meio dos órgãos de inteligência e, até o momento, não havia identificado fato digno de registro ou preocupação, e que continuará acompanhando”.

    A CNN procurou a PM de Santa Catarina e aguarda retorno.

    Mais Recentes da CNN