Chuva abaixo da média histórica impulsionou crise hídrica, diz Climatempo

De acordo com a Climatempo, não há previsão de atraso ou de chuvas abaixo da média na primavera

Produzido por Layane Serranoda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

Setembro é o início da primavera e a partir da segunda quinzena do mês é esperado o início do período úmido. As chuvas neste ano são esperadas para conter o tempo seco que vem gerando consequências para os reservatórios.

No entanto, de acordo com o metereologista da Climatempo, Filipe Pungirum, a crise hídrica que estamos vivendo está relacionada aos últimos anos, quando houve chuva abaixo da média nos meses de calor.

“Nós estamos hoje enfrentando uma crise hídrica porque, ao longo dos últimos períodos úmidos, nós não tivemos chuvas atingindo a média histórica. Nos últimos cinco, quatro anos, em todos eles, em um mês ou outro a chuva sobre uma grande bacia hidrográfica atingiu a média histórica, mas durante o período úmido completo, durante três, quatro meses, essa chuva não tem chegado na média histórica, por isso estamos enfrentando a crise que estamos vivendo”, diz à CNN.

Segundo Pungirum, felizmente, as chuvas da primavera que se aproxima devem atingir a média histórica.

“Por enquanto, a expectativa não é de uma primavera ruim no quesito chuvas. (…) Então, por enquanto, não há nenhuma expectativa de atraso ou de chuvas abaixo da média nessa primavera para a grande parte do país, como centro-oeste e sudeste.”

Ele ressalta que apenas em outubro deve haver uma baixa das chuvas na região sul, mas as demais regiões permanecerão com o volume de chuva esperado.

 

O metereologista cita o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) para dizer que a tendência é que no futuro haja mais problemas relacionado à falta de chuva.

“Ele indica que cada vez mais nós enfrentaremos períodos extremos, com a chuva concentrada em poucos episódios, o que aumenta os eventos extremos de chuva, mas também aumenta os períodos sem chuva.”

Mais Recentes da CNN