Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Chuvas no RS: água vai subir como nunca subiu antes, diz general do exército

    General Marcelo Zucco, comandante da Operação Tarquari-2, explicou a gravidade da situação e advertiu que a água pode atingir níveis históricos

    Da CNN

    As fortes chuvas que atingem o Rio Grande do Sul há dias estão causando uma situação dramática no estado, segundo o general Marcelo Zucco, comandante da Operação Taquari-2. O rompimento parcial da barragem 14 de Julho apenas piorou a situação, disse Zucco.

    As chuvas intensas já duram quatro dias em todo o estado, com previsão de mais três dias de precipitação. Diferentemente do ocorrido em setembro do ano passado, quando choveu muito em 48 horas e os níveis dos rios subiram e desceram rapidamente, agora os níveis estão em “subida constante” e já extrapolaram o que aconteceu no ano anterior em alguns municípios.

    “A perspectiva, por exemplo, é que em Porto Alegre o rio extrapole um nível que ocorreu no ano passado”, alertou o general.

    Dificuldades para resgates

    Zucco explicou que as equipes enfrentam grandes obstáculos para chegar às pessoas que precisam de ajuda. Mais de dez aeronaves estão na região, mas não conseguem voar devido às condições meteorológicas. Além disso, há mais de 100 pontos de interdição nas rodovias do estado, e os rios estão com correnteza muito forte, impedindo o acesso por botes.

    O militar deu o exemplo de um pedido de um hospital de campanha em Lajeado, que não pode ser atendido porque a ponte que liga o município está submersa. “A gente não consegue chegar com hospital, não consegue chegar com engenharia, não consegue chegar com tropas para ajudar”, lamentou.

    “Infelizmente, é uma situação dramática que o povo gaúcho está sofrendo mais uma vez”, acrescentou.

    Apelo para que moradores deixem suas casas

    Zucco fez um apelo para que os moradores de áreas de risco deixem suas casas, pois a água pode subir a um nível nunca visto. Ele citou o exemplo de Porto Alegre, onde cerca de 8 mil pessoas vivem em ilhas do Guaíba e podem ser afetadas.

    “Como eu vou convencer uma pessoa que mora há 30, 40 anos numa localidade que a água subirá muito mais do que ela já ouviu falar, do que ela já viu acontecer?”, questionou o general, explicando que muitos acreditam que a situação não vai piorar tanto.

    O comandante reforçou o alerta para os moradores dos vales dos rios das Antas e Taquari, onde a água deve subir muito devido ao rompimento da barragem. “Se alguém hoje já está enxergando o rio na porta da sua casa, pode ter certeza que essa água chegará dentro da sua casa”, concluiu.