Com rodízio mais rígido, índice de lentidão em SP volta a patamar de 1 mês atrás

Às 8h, por exemplo, o congestionamento registrado em São Paulo foi de 4 km, ante 21 km nas últimas duas segundas-feiras

Iuri Pittada CNN

Ouvir notícia

Balanço parcial da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) da Prefeitura de São Paulo com cruzamento de dados do aplicativo de celular Waze indicam que a adesão ao rodízio de placas pares e ímpares surtiu efeito. De acordo com avaliação interna da gestão Bruno Covas, a medida se mostrou bem-sucedida no primeiro teste — o horário de pico da manhã — e os indicadores respondem às críticas recebidas pelo prefeito de que a política seria exagerada ou sem eficácia. 

Informações obtidas em primeira mão pela CNN apontam que o índice de circulação de veículos na primeira manhã de vigência das novas regras, nesta segunda-feira (11), voltou aos níveis registrados quatro semanas atrás.  

Às 8h, por exemplo, o congestionamento registrado foi de 4 km, ante 21 km nas últimas duas segundas-feiras – na semana passada, a Prefeitura havia adotado a política de bloqueio em determinadas avenidas que provocaram lentidões e, por isso, foi extinta dois dias depois. Foi o nível mais alto do período entre 7h e 12h. 

A título de comparação, nas duas primeiras segundas-feiras de março, anteriores às medidas de isolamento e distanciamento social, a lentidão às 8h foi de 215 e 220 km. 

Menos carros, mais passageiros

O contraponto, apontado pelo secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, foi a percepção de um aumento de passageiros no sistema de metrô e trem. O secretário, responsável pelas empresas estaduais de transporte sobre trilhos e de ônibus intermunicipais, lamentou em entrevista à CNN falta de diálogo prévio com a Prefeitura paulistana antes da adoção do rodízio extraordinário. 

No próprio sistema de ônibus municipais também houve aumento de passageiros. De acordo com o secretário municipal de Transportes, Edson Caram, houve crescimento de 300 mil usuários no período da manhã, mas seria um saldo positivo se for levado em conta que cerca de 4 milhões de automóveis deixaram as ruas – a maioria deles costuma ser ocupada apenas pelo motorista.

Mais Recentes da CNN