Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Companhias de cruzeiros estendem suspensão de operações até 18 de fevereiro

    Decisão tem o objetivo de analisar a evolução da pandemia e dar continuidade às discussões necessárias com as autoridades competentes

    Elis BarretoLucas JanoneRafaela Larada CNN

    no Rio de Janeiro e em São Paulo

    Ouvir notícia

    A Associação Brasileira de Navios e Cruzeiros (Clia) decidiu, nesta segunda-feira (31), manter a suspensão das operações nos portos brasileiros até 18 de fevereiro.

    O documento, obtido primeiro pela CNN, mostra que a decisão tem como objetivo analisar a evolução da pandemia e os impactos da variante Ômicron da Covid-19.

    A temporada atual, que começou em novembro de 2021, tinha previsão de movimentar mais de 360 mil turistas, com impacto de R$ 1,7 bilhão.

    Além disso, o setor esperava gerar mais de 24 mil empregos, envolvendo uma cadeia extensa de segmentos da economia, entre eles comércio, alimentação, transportes, hospedagem, serviços turísticos, agenciamento, receptivos e combustíveis.

    A Clia havia decidido, voluntariamente, suspender as operações no dia três de janeiro deste ano, até o dia 21 de janeiro. No dia 12 deste mês, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou a suspensão definitiva da temporada de navios no Brasil, que começou em novembro do ano passado.

    A sugestão foi feita ao Ministério da Saúde e à Casa Civil da Presidência da República no intuito de evitar novas contaminações pelo coronavírus. O órgão federal considerou que “o cenário atual é desfavorável à continuidade das operações dos navios de cruzeiro”.

    Segundo a associação, de um total de aproximadamente 130 mil passageiros transportados entre 5 de novembro e 3 de janeiro de 2021, cerca de 1.100 casos foram confirmados, o que representa menos de 1% do total das pessoas atendidas (incluindo hóspedes e tripulantes).

    Desembarque de turistas do cruzeiro Costa Fascinosa no píer da Vila, em Ilhabela (SP) / Evelson de Freitas/Estadão Conteúdo

    Mais Recentes da CNN