Curada, onça resgatada de incêndio no Pantanal não conseguirá voltar à natureza

Animal viverá em ambiente criado especialmente para sua recuperação. Instituto Nex explica que perda dos tendões a impedem de voltar a caçar

Onça-pintada Amanaci teve alta, mas não poderá retornar à natureza
Onça-pintada Amanaci teve alta, mas não poderá retornar à natureza Foto: Instituto Nex/Divulgação

Anna Gabriela Costa, colaboração para a CNN Brasil

Ouvir notícia

Após mais de 70 dias em tratamento contra as queimaduras causadas pelos incêndios no Pantanal, a onça-pintada Amanaci recebeu alta nesta sexta-feira (11). Curada das feridas, a onça finalmente voltou a caminhar sem as botas que protegiam suas queimaduras. Entretanto, a rotina do animal nunca mais será a mesma, uma vez que sofreu danos permanentes na pata, que a impedem de sobreviver em seu habitat natural, a natureza. 

A onça-pintada, que pesa aproximadamente 60 kg, foi uma das centenas de animais resgatados pelo Instituto Nex nos incêndios que atingiram o Pantanal nos últimos meses. Amanaci, especificamente, foi resgatada no município de Poconé, no Mato Grosso.

Na última quarta-feira (9) a equipe de veterinários fez sua última captura, na qual foi feita anestesia e um último curativo nas patas queimadas, quando, então, observaram a possibilidade de alta para o animal. 

Leia também:

Entenda os impactos do recorde de queimadas no Pantanal nos animais da região

Pesquisadores catalogam 104 novas espécies de peixes no Pantanal

Fogo no Pantanal: acessar locais é o maior desafio, diz comandante de operação

“Conseguimos observar que ela teria condição de mudar para um recinto novo e terminar essa cicatrização, já estava bem superficial essa ferida. Em um recinto novo, teria mais qualidade de vida para ela”, explicou o veterinário Thiago Luczinski. 

De acordo com o veterinário responsável pelo tratamento de Amanaci, o novo recinto foi todo planejado para a recuperação do animal, e a felina se adaptou muito bem ao local.

“Ela retornou da anestesia já em um novo recinto, planejado para ela, todo gramado, com uma piscina que ela vai afundando devagar, para ela ter condição de sair sem se machucar. O estado geral dela é excelente, ela se alimenta muito bem, é ativa.  No dia que a gente soltou, ela andou uma boa parte do local, estranhando um pouco por estar pisando na grama com os pés bastante sensíveis ainda, mas andou em tudo”, afirmou Thiago.

A boa notícia foi comemorada na internet por milhares de usuários que acompanham a recuperação da onça-pintada, desde seu resgate até o início do tratamento.

“Trazemos boas notícias! Nossa menina Amanaci, o maior símbolo de força e resiliência deste ano, está de alta! Na foto, Amanaci caminhando pela primeira vez sem as 4 botinhas, depois de mais de setenta dias de tratamento, em um recinto com grama! Gratidão a todos que nos ajudaram nesta luta! Vida longa Amanaci! Seguimos lutando por todas elas! Juntos, somos mais fortes!”, divulgou o Instituto Nex em sua página na internet.

Destaques do CNN Brasil Business:

Fim do mistério: nos 40 anos do Chester, empresa divulga fotos do animal vivo

Ação do Airbnb dispara na bolsa e fortuna do fundador triplica, para US$ 11 bi

Polícia Federal abre concurso público para 1.500 vagas

Economia brasileira deve encolher de novo antes de voltar a crescer em 2021

Não volta à natureza 

Apesar da recuperação das feridas causadas pelo fogo, infelizmente, a onça-pintada Amanaci não tem mais condições de voltar a viver livre na natureza, já que perdeu funções que a impedem de executar funções básicas para sua sobrevivência, como caçar e escalar, explica o veterinário Thiago Luczinski.

“Ela não vai poder voltar para a natureza porque ela perdeu os tendões que expõem as garras; foram todos queimados. Por causa disso, ela não consegue caçar, escalar, não expõe mais as garras; com isso ela não volta mais para a natureza.” 

Mais Recentes da CNN