Especialistas debatem sobre retirada de estátuas de figuras ligadas à escravidão

Para Oswaldo Faustino, o monumento conta muito mais a história de quem o colocou; Ricardo Macau acredita que manifestação reflete amadurecimento da democracia

Da CNN

Ouvir notícia

Oswaldo Faustino, jornalista e escritor, e Ricardo Macau, professor de direito constitucional e internacional, debateram nesta quinta-feira (11) na CNN sobre os protestos antirracistas que aconteceram em várias cidades do mundo após a morte de George Floyd e trouxeram à tona a discussão sobre a retirada de monumentos de figuras ligadas à escravidão.

Na visão de Faustino, é importante que se repense a história, e não que ela seja varrida para debaixo do tapete.

“A proposta de se recontar a história e de ressignificar tais monumentos precisa ser muito mais ampla do que derrubar estátuas. Precisamos, sim, que esses personagens sejam revistos e nós, do movimento negro, acreditamos que não dá para homenagear aqueles que foram nossos algozes. Porém, é importante que haja em algum lugar uma forma para olharmos esses monumentos e nomes para repensar”, falou.

Macau concordou e afirmou que as manifestações ao redor do mundo refletem um amadurecimento da democracia e do debate.

“É nos instrumentos próprios da democracia que temos que buscar possibilidades de adotar medidas para repensar esses monumentos e, mais do que isso, atender a vontade da população”, disse. 

Faustino completou afirmando que, para ele, “o monumento conta muito mais a história de quem o colocou do que de quem está sendo homenageado”. 

“Se queremos repensar os quilombos, a presença negra nesse país, escravizada por mais de 300 anos, não podemos admitir homenagens. Mas quem passa pela rua, vê esses personagens e não para ler os nomes, não faz ideia do que significa. Portanto, esse documento não é um professor de história. Nós temos que pensar em um meio educativo para recontar a história”, avaliou.

Assista e leia também:

Abaixo-assinado pede derrubada de estátua de Borba Gato em São Paulo

Estátuas de Cristóvão Colombo são depredadas e derrubadas nos EUA

Estátua de comerciante de escravos vai para museu com itens sobre racismo

Macau defendeu que os monumentos precisam ser preservados, mas lembrou que não são bens públicos “petrificados”. Ou seja, eles podem ser revistos e repensados, sobretudo nos momentos em que ocorrem transformações de percepção histórica.

“Então, não há dúvida de que a importância do monumento tem que ser acoplada, de modo indissociável, com uma proposta de organização da sociedade, alteração das estruturas sociais e principalmente de transformação dessa consciência coletiva”, falou.

(Edição: Bernardo Barbosa)

 

Tópicos

Mais Recentes da CNN