Após cerimônia, corpo de George Floyd é enterrado ao lado da mãe nos EUA

George Floyd foi morto asfixiado em uma abordagem policial em Minneapolis, nos Estados Unidos, em 25 de maio. O caso gerou uma onda de protestos antirracistas

Anna Gabriela Costa, da CNN em São Paulo
09 de junho de 2020 às 23:38 | Atualizado 09 de junho de 2020 às 23:46

O corpo de George Floyd foi enterrado nesta terça-feira (9) em Houston, nos Estados Unidos, após uma cerimônia marcada por muita comoção e discursos políticos. A pedido da família, Floyd foi enterrado ao lado da mãe no cemitério Houston Memorial Gardens, em Pearland, subúrbio da cidade texana. 

A cerimônia anterior ao cortejo fúnebre, que reuniu cerca de 500 pessoas entre convidados, amigos e familiares, foi marcada por emoção e ativismo. O pastor Al Sharpton, conhecido no país na atuação pela igualdade dos direitos civis, leu passagens da bíblia e lembrou os atos que estão acontecendo atualmente em países da Europa, como a derrubada de estátuas e monumentos que homenageiam mercadores de escravos

Ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, não esteve presente na cerimônia, mas gravou um vídeo para ser exibido na solenidade. Ele afirmou que o país não pode “virar novamente as costas para o racismo que agulha nossa alma.” 

Um dos discursos mais comoventes partiu de uma adolescente, sobrinha de George Floyd. 

“Meu tio só cometeu um crime, ter nascido negro”, disse a jovem, que também utilizou sua fala para pedir mais rigor nas leis que tratam de crimes de racismo nos Estados Unidos.

Após a cerimônia, milhares de pessoas acompanharam o cortejo fúnebre até o cemitério, mesmo com calor intenso de mais de 35 graus. Na despedida final não houve protesto, as pessoas acompanharam a solenidade pacificamente. 

Leia mais:

Juíza define fiança de R$ 6 milhões para policial acusado de matar George Floyd

Autópsia de George Floyd mostra homicídio por asfixia, diz advogado da família

George Floyd: em algumas cidades dos EUA, policiais se unem a manifestantes

Relembre o caso

George Floyd trabalhava como segurança na cidade de Minneapolis, no estado americano do Minnesota. Ele foi morto em uma abordagem policial, quando um agente colocou o joelho sob o pescoço de Floyd e, ignorou o alerta da vítima que dizia não conseguir respirar. Sua morte causou revolta nacional, e várias cidades registraram protestos, incêndios e saques contra o racismo e a violência policial.

Uma manifestação do lado de fora da Casa Branca teria forçado o presidente Donald Trump a se abrigar em um bunker subterrâneo na última sexta-feira (29).

O dono da Cup Foods, uma loja de conveniência, contou em entrevista à CNN que um de seus funcionários chamou a polícia após Floyd pagar uma compra com uma nota falsa de US$ 20.

Em comunicado, a polícia disse que o homem teria resistido fisicamente à prisão, uma versão que é contestada por um vídeo de uma câmera de segurança próxima do local.