Evento adverso que interrompeu fase 3 da Coronavac foi suicídio de voluntário

Fase 3 dos estudos da Coronavac foi interrompida após Anvisa ter informado que ocorreu 'evento adverso grave'; governo de São Paulo nega relação com vacina

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

 A morte de um dos voluntários foi o evento adverso grave que levou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a suspender a fase 3 dos estudos da Coronavac, que está sendo conduzida pelo governo de São Paulo em parceria com o Instituto Butantan. Segundo apuração da CNN, este voluntário cometeu suicídio.

Não se sabe o que levou o voluntário a cometer suicídio.

O Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo, procurado pela CNN, ainda não se manifestou.

A Secretaria de Segurança Pública de SP afirmou que o caso foi registrado e é investigado como suicídio pelo 93º DP (Jaguaré). “Exames periciais estão em andamento e mais detalhes não serão divulgados até a conclusão dos laudos técnicos para não atrapalhar as investigações”, disse, em nota.

Em entrevista coletiva nesta terça-feira (10), o diretor-geral do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que os estudos clínicos da Coronavac não apresentaram reações adversas graves nos voluntários — segundo Covas, o evento adverso grave que ocorreu com o voluntário não tem relação com a vacina. 

Leia também:

Coronavac: Representantes de Anvisa e Butantan se reúnem para discutir suspensão

Butantan diz que foi ‘surpreendido’ com interrupção de testes da Coronavac

Anvisa interrompe os estudos da fase 3 da Coronovac

Após suspensão de testes da Coronavac, Bolsonaro diz que ‘ganhou mais uma’

Coronavac
Coronavac, vacina contra a Covid-19 em testes
Foto: Governo de SP/Divulgação

“Quando fazemos um teste clínico é esperando que existam reações adversa e efeitos adversos. Essa distinção é importante. Neste estudo que está em andamento, existiram reações adversas, eu mesmo já apresentei esses dados”, disse Covas, em entrevista coletiva.

O diretor do Butantan disse que durante os testes clínicos pode haver o que é classificado como evento adverso na população do estudo, que são acontecimentos que não tem relação direta com a vacina ou o medicamento em teste.

Com a interrupção do estudo pela Anvisa, nenhum novo voluntário poderá ser vacinado. 

Em entrevista no começo da tarde desta terça, Antonio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa, disse que a agência não foi informada sobre o suicídio do voluntário.

Mais Recentes da CNN