Flexibilização no Rio depende da adesão do carioca à vacina, diz secretário

Em entrevista à CNN, Daniel Soranz diz que cerca de 140 mil pessoas precisam se vacinar para cidade atingir meta de 65% da população completamente imunizada

Da CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

Em entrevista à CNN, o secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, afirmou nesta terça-feira (12) que a flexibilização de medidas contra a Covid-19 na capital fluminense depende da adesão da população à campanha de vacinação.

No Rio, a segunda fase de flexibilização estava prevista para sexta-feira (15). No entanto, a cidade não atingiu a meta de 65% da população completamente imunizada. Sem atingir esse número, as recomendações atuais seguem válidas, de acordo com Soranz. No momento, cerca de 59% dos cariocas estão com o esquema vacinal completo.

“Não sabemos [quando vamos flexibilizar], depende da adesão do carioca à vacinação e das pessoas que estão com vacina atrasada procurarem os postos de saúde para se vacinarem”, disse o secretário. “Não colocamos data específica para essa reabertura, então, estamos estimulando a população a se vacinar o quanto antes.”

Segundo Soranz, aproximadamente 140 mil cariocas precisam se vacinar para que a cidade atinja os 65% completamente imunizados. “Isso deve acontecer entre a próxima sexta-feira até o final de mês de outubro, certamente”, projetou.

A cidade do Rio previa, a partir do dia 15 de outubro, desobrigar o uso de máscaras em locais abertos sem aglomerações, caso 80% dos adultos e 65% da população total da cidade estivessem completamente imunizados.

“Essa primeira etapa prevê a retirada das máscaras em locais abertos e o aumento de eventos em espaços abertos, além da reabertura de festas e casas de shows. A expectativa é que isso aconteça entre o próximo dia 15 e dia 23 de outubro”, reforçou Soranz.

Apesar do atraso na vacinação, o secretário de Saúde reafirmou que tanto Réveillon quanto o Carnaval da cidade devem acontecer sem restrições.

“O que estamos vendo é uma redução gradual dos casos de Covid-19 conforme a vacinação aumenta. A nossa expectativa é que tenhamos toda a população vacinada no final de novembro, quando ficamos com máscara somente em transporte público e em unidades de saúde”, disse.

“Por isso, acreditamos que tanto o Carnaval quanto Réveillon serão possíveis de se fazer sem distanciamento. Até agora, não há nenhuma evidência científica de aumento de número de casos na população vacinada”, completou.

Mais Recentes da CNN