Prefeitura do RJ projeta desobrigar o uso de máscaras em locais abertos

Medida, se confirmada, fará parte da segunda etapa do Plano de Flexibilização e terá como premissa que 65% da população carioca esteja com o esquema vacinal completo

Beatriz PuenteThayana Araújoda CNN

No Rio de Janeiro

Ouvir notícia

A Prefeitura do Rio de Janeiro pretende desobrigar o uso da máscara de proteção contra a Covid-19 a partir do dia 15 deste mês em locais abertos e sem aglomeração.

A medida, se confirmada, fará parte da segunda etapa do Plano de Flexibilização e terá como premissa que 65% da população carioca esteja com o esquema vacinal completo. Atualmente, a população total que já tomou a segunda dose ou dose única é de 56%.

O prefeito da cidade, Eduardo Paes (PSD), divulgou em suas redes sociais o que seria a terceira etapa do Plano de Flexibilização, com data para acontecer no dia 15 de novembro. O objetivo, já prevendo que 75% da população esteja com calendário vacinal completo, é ter a liberação de máscaras, com o uso obrigatório apenas em ambientes hospitalares e transportes públicos.

“O Comitê Científico é composto por dois ex-ministros da Saúde, por um ex-secretário nacional de vigilância em saúde, além de representantes da UFRJ, Uerj, Unirio e Fiocruz! Eles é que dão o comando aqui em conjunto com o secretário Daniel Soranz”, escreveu Paes na rede social sobre as flexibilizações.

Boates e danceterias

A pesquisadora da Fiocruz Margareth Dalcomo discorda das flexibilizações que podem acontecer a partir da semana que vem.

“Não alcançamos a taxa de 80% de vacinados, que é o ideal. Precisamos reduzir substancialmente o número de internados e mortos na cidade. A aglomeração é muito subjetiva. Uma festa com 10 pessoas é aglomeração”, detalhou.

Além da desobrigação do uso de máscaras, a prefeitura pode liberar, já nesta segunda etapa da flexibilização, as boates e danceterias com 50% da capacidade, desde que o público esteja totalmente vacinado.

Na terceira etapa, já não teria mais quaisquer restrições de capacidade e distanciamento. Todos os cenários ainda estão sendo analisados.

Mais Recentes da CNN