Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Governo de SC anuncia policiais armados nas escolas após ataque em Blumenau

    Medida foi sinalizada ainda na última semana em reunião com representantes da segurança pública e da rede de educação

    Estadão Conteúdo

    O governador de Santa Catarina, Jorginho Mello (PL), anunciou nesta segunda-feira (10) que vai colocar pelo menos um policial armado em cada uma das 1.053 escolas da rede estadual de ensino.

    A medida foi sinalizada ainda na última semana em reunião com representantes da segurança pública e da rede de educação, após um ataque à creche Cantinho Bom Pastor, em Blumenau, ter deixado quatro crianças mortas.

    Além de realocar policiais militares para fazerem a segurança armada das escolas, o governo também pretende contratar agentes aposentados das polícias Civil ou Militar, e bombeiros que compõem o Corpo Temporário de Inativos da Segurança Pública (CTISP).

    A medida deve ser implementada nos próximos dois meses, e tem um investimento aproximado de R$ 70 milhões.

    “Não importa quanto isso vai custar, o governo do Estado vai fazer porque nossos filhos e netos merecem estar seguros nas escolas”, disse Jorginho Mello.

    Desde a última quinta-feira (6), data do ataque, o governo de Santa Catarina ordenou uma “ronda ostensiva de policiais militares na frente de todas as escolas da rede pública”. Guardas municipais também têm reforçado a segurança nas creches e escolas de Blumenau.

    Mello também anunciou nesta segunda que os professores da rede pública estadual terão um treinamento para resposta rápida e segura diante de ameaças ao ambiente escolar.

    Em reunião na quinta-feira, o prefeito anunciou que pretende contratar agentes aposentados da reserva e ‘vigilância particular armada’ nas unidades de ensino do município.

    “É bom deixar claro que essa não é uma solução que vamos implantar do dia pra noite. É um conjunto de esforços que será colocado em prática o mais breve possível”, afirmou o prefeito de Blumenau, Mário Hildebrandt, após a reunião da última sexta (7).