Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Homem preso por ameaça de bomba diz que havia plano para estado de sítio

    Paraense integrava grupo que protesta em frente ao Exército e foi detido no sábado (24) depois que a polícia encontrou explosivos no aeroporto

    Pedro TeixeiraJuliana Eliasda CNN

    em São Paulo

    Em depoimento à Polícia Civil, o homem preso no sábado (24) por suspeita de ter colocado um explosivo no Aeroporto Internacional de Brasília, disse que a intenção dele e do grupo com quem estava era levar à intervenção militar e à decretação de um estado de sítio para “impedir a instauração do comunismo no Brasil”.

    O suspeito, de 54 anos, foi preso após a Polícia Civil do Distrito Federal encontrar um explosivo em um caminhão na área do aeroporto. Foram encontrados mais cinco explosivos e munições em um apartamento alugado em Brasília.

    Em seu depoimento à polícia, ao qual a CNN teve acesso, o homem conta que é do Pará e que foi para a capital federal após o segundo turno das eleições, portando diversos armamentos para se juntar ao grupo que se manteve acampado em frente ao Quartel General (QG) do Exército em protesto à eleição de Luiz Inácio Lula da Silva.

    Sua intenção, contou, “era participar dos protestos” e “aguardar o acionamento das Forças Armadas para pegar em armas e derrubar o comunismo”.

    “Ultrapassado quase um mês nada aconteceu e então eu resolvi traçar um plano com os manifestantes do QG do Exército para provocar a intervenção das forças armadas e a decretação do estado de sítio para impedir a instauração do comunismo no Brasil”, disse o homem apreendido.

    Os planos, de acordo com ele, foram discutidos entre 22 e 23 de dezembro e incluíam explodir uma bomba no Aeroporto de Brasília e, na sequência, fazer uma denúncia anônima sobre a presença de outros dois explosivos na área de embarque.

    Outra sugestão era, também, instalar uma bomba na subestação de energia Taguatinga “para provocar a falta de eletricidade e dar início ao caos que daria início à decretação do estado de sítio”, em suas palavras.

    A bomba, afirmou, foi construída por ele com uma dinamite também pertencente a ele. O paraense viu pela TV que os policiais encontraram antes os explosivos do aeroporto.

    Entre as armas que ele contou ter lavado consigo do Pará a Brasília estavam, além das dinamites, duas escopetas, dois revólveres, três pistolas, um fuzil e mais de mil munições.

    Ele afirmou ter licença para possuir todas elas, exceto as dinamites. “Em 2021 eu tirei minhas licenças para adquirir armas (CR e CAC) de desde então gastei R$ 160 mil na compra” de armamentos, contou.

    “O que me motivou foram as palavras do presidente Bolsonaro que sempre enfatizava a importância do armamento civil dizendo o seguinte: ‘um povo armado jamais será escravizado‘.”