Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Justiça decreta prisão preventiva de policial que matou esposa em SP

    Vítima foi morta a tiros após discussão em carro; Corregedoria da Polícia Militar foi acionada para investigar o ocorrido

    Felipe Souzada CNN*

    Em São Paulo

    A Justiça de São Paulo decretou, em audiência de custódia realizada nesta segunda-feira (4), a prisão preventiva do policial militar Thiago Cesar de Lima, de 36 anos, pelo feminicídio de sua esposa. O crime ocorreu na madrugada de domingo (3), na zona Norte de São Paulo.

    A vítima, Érika Satelis Ferreira de Lima, de 33 anos, foi morta a tiros pelo soldado. O casal estava dentro de um carro quando começou uma discussão. Durante a briga, o PM agrediu e atirou contra a mulher.

    Érika foi levada ao Hospital Geral de Taipas, mas não resistiu aos ferimentos. A arma do crime, uma pistola calibre .40, foi apreendida. O caso foi registrado como feminicídio pela 4ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) Norte.

    A Corregedoria da Polícia Militar foi acionada para investigar o ocorrido. O soldado Thiago Cesar de Lima, pertencente ao efetivo do 49º BPM/M (zona Norte), estava de folga e trajando roupas civis no momento do crime. Ele foi encaminhado ao Presídio Militar Romão Gomes.

    As circunstâncias que levaram ao feminicídio ainda estão sendo apuradas.

    O caso

    Imagens de câmeras de seguranças flagraram o momento em que o policial militar Thiago Cezar de Lima dá cinco socos no rosto de sua esposa, Erika Satelis Ferreira de Lima, e depois atira nela após uma discussão do lado de fora de um carro, em Perus, na zona norte de São Paulo.

    Ele relatou à polícia que estava com a mulher dentro de um carro quando começaram a discutir e, então, efetuou os disparos.

    Nas imagens, é possível ver o momento que Erika abre a porta do motorista, desce e vai até a porta traseira do lado contrário. No banco de trás está o soldado Thiago, que estava de folga.

    A mulher começa a tentar tirá-lo a força do carro, mas não consegue. Segundos depois, ele sai do carro e começa a agredi-la. O policial dá uma série de socos no rosto de Erika, e efetua pelo menos dois disparos contra ela. A mulher cambaleia e cai no chão.

    O soldado entra no carro e dá meia volta com o veículo, mas para novamente e começa a tentar arrastar a vítima até o veículo. Nesse momento, moradores saem das suas casas e acompanham a ação.

    Segundo a Polícia, o próprio PM levou a vítima até o hospital, onde a morte foi constatada e ele foi preso.

    *Sob supervisão de Carolina Figueiredo