Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Líder do jogo do bicho e mais 12 são presos no Rio em operação da PF e MP

    Foram presas preventivamente 13 pessoas e 19 mandados de busca e apreensão foram cumpridos na sexta-feira (1º)

    Líder do jogo do bicho Ailton Guimarães Jorge, o Capitão Guimarães
    Líder do jogo do bicho Ailton Guimarães Jorge, o Capitão Guimarães Reprodução

    Vinícius BernardesLéo Lopesda CNN

    em São Paulo

    Um líder do jogo do bicho e outros 12 foram presos, na sexta-feira (1º), no Rio de Janeiro, em operação conjunta da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ).

    De acordo com a PF, a operação “Mahyah” tem o objetivo de “desarticular organização criminosa voltada para a prática de homicídios, corrupção passiva e porte ilegal de arma de fogo, chefiada por um banqueiro do jogo do bicho”.

    Veja também: Ônibus é incendiado em protesto por mortes no Rio de Janeiro

    Foram presas preventivamente 13 pessoas e 19 mandados de busca e apreensão foram cumpridos. “Entre os presos está um líder do jogo do bicho, um policial civil e policiais militares”, informou o MPRJ.

    O líder do jogo do bicho preso é Ailton Guimarães Jorge, o Capitão Guimarães.

    Segundo o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), o bicheiro já estava em prisão domiciliar por conta de um outro processo, e a prisão preventiva desta ação também foi substituída por domiciliar com monitoramento com tornozeleira eletrônica.

    “A investigação é um desdobramento da Operação Sicários, deflagrada em 7 de dezembro de 2022, contra três núcleos criminosos, subordinados ao mesmo bicheiro, que controlam o monopólio de jogos de azar e exploração de bingos clandestinos na Ilha do Governador, Niterói, São Gonçalo e no Espírito Santo”, disse o MPRJ em comunicado.

    “Ainda segundo os investigadores, para assegurar a soberania territorial, a organização criminosa pratica, de maneira ordenada, diversos crimes, dentro os quais se destacam homicídios, corrupção passiva e porte ilegal de armas de fogo”, completou.