Manifestação termina em confronto com polícia em São Paulo

Polícia teve que usar força para conter manifestação na capital paulista

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Manifestantes e a Polícia Militar entraram em confronto na noite deste domingo (7) na capital paulista.

No início da tarde, os manifestantes contra o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) se concentraram no Largo da Batata (zona oeste), no entanto, no fim da tarde, parte seguiu em marcha pelas ruas da capital paulista, o que não havia sido combinado com a PM.

Os PMs fizeram um bloqueio rua dos Pinheiros (zona oeste) e negociaram com os manifestantes. A PM usou bombas de gás lacrimogêneo e de efeito moral para dispersar o grupo. 

“Só fica agora quem quer provocar a polícia, o cidadão de bem, que se manifestou, já foi embora”, disse à CNN o secretário-executivo da PM, coronel Álvaro Camilo, sobre o bloqueio que ocorria por volta das 18h30.

Leia também:

Planalto vê baixo apoio nas manifestações contra o governo

Deputado do PSL e senador da Rede debatem manifestação e liberdade de expressão

Deputado do PSL e senador do PT avaliam a legalidade das manifestações no Brasil

“Foi tudo foi muito bem o dia inteiro, manifestação pacífica até as 17h. O combinado era ficar no Largo da Batata. Por volta das 17h30, começou uma movimentação que não estava combinada. Os negociadores da polícia conversaram com os manifestantes e cederam que fossem até a rua Fradique Coutinho. Dali eles resolveram andar de novo para a rua dos Pinheiros, até que chegou um ponto que a polícia não deixou mais passar”, disse. 

“A maioria foi para a casa. Sobraram alguns que queriam criar confronto com a polícia. Isso caminhou para um lado que a gente não queria e a tropa de choque começou a agir, com o uso progressivo da força”, continua o secretário executivo da PM. Ao todo, 17 pessoas foram detidas nas manifestações, entre eles um menor de idade. 

Houve ainda, pouco antes, por volta das 16h40, um princípio de tumulto nas proximidades do Largo da Batata, quando um manifestante fez um movimento de depredação, mas foi rapidamente contido por outros manifestantes.

O tenente-coronel Emerson Massera, porta-voz da PM, afirmou que 4 mil policiais militares estavam envolvidos ao longo do dia nas operações de segurança durante as manifestações pela capital paulista, além do apoio de drones e três helicópteros.

Por volta das 19h20 a situação estava sob controle e os manifestantes já haviam se dispersado.

Agência bancária é depredada em São Paulo neste domingo (7/6)
Agência bancária é depredada em São Paulo neste domingo na região de Pinheiros (7/6)
Foto: Polícia Militar/SP

Detidos

Pelo menos 17 pessoas foram detidas por portar armas brancas. Todas foram levados para delegacia. Entre eles, sete são defensores da causa “Vidas Negras Importam” e estavam empunhando faixas pró-Democracia, mas se aproximavam da Avenida Paulista, espaço reservado para os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. Entre eles há um menor de idade que foi apreendido.

A Polícia Militar encontrou com os detidos coquetel molotov pronto e material para produzir um outro.

Havia com eles ainda um galão com dois litros de gasolina, óleo de cozinha e uma garrafa de vidro. Além disso, eles tinham também um bastão e um spray, que os policiais acreditam que seria utilizado para funcionar como um lança-chamas. 

(Edição: Marcio Tumen Pinheiro)

Mais Recentes da CNN