Ministério da Educação cogita adiar Enem em mais de 60 dias

Segundo o ministro Abraham Weintraub, pasta já trabalha com hipótese de adiamento de 90 ou 120 dias

Cadernos de prova do Exame Nacional do Ensino Médio
Cadernos de prova do Exame Nacional do Ensino Médio Foto: Reprodução/Agência Brasil

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O Ministério da Educação não descarta adiar o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) por mais de 60 dias, disse Abraham Weintraub nesta segunda-feira (25). Segundo o ministro, os inscritos na prova responderão a um questionário sobre a nova data, que terá opções para adiar a prova em 30, 60 ou até mais dias.

Em transmissão ao vivo no Instagram, Weintraub disse que o MEC já trabalha com a última hipótese e apontou uma postergação de 90 ou 120 dias como provável. A enquete estará disponível em junho no site do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas).

Inicialmente, a realização estava prevista para os dias 1º e 8 de novembro para a versão convencional e 22 e 29 de novembro para a digital. Na última semana, o governo anunciou que o Enem será adiado em pelo menos 30 dias. 

As inscrições para o teste vão até esta quarta-feira (27). 

Leia também:

Celso de Mello alerta ministros do STF sobre fala de Weintraub em reunião

Senado convoca Weintraub a explicar falas em reunião ministerial

De acordo com o ministro, a decisão de transferir a data do Enem se deu em “uma onda de muita gritaria”. Para ele, o ideal seria esperar e acompanhar o desenvolvimento da pandemia da Covid-19.

O MEC anunciou a postergação um dia depois de o Senado aprovar um projeto de lei que suspenderia o Enem enquanto durasse o período de calamidade pública.

Para a senadora Daniella Ribeiro (PP-PB), que assinou a proposta, o adiamento da prova impede um acirramento na desigualdade entre os candidatos, especialmente os que não têm acesso à internet.

Mais Recentes da CNN