Morre o jurista brasileiro Dalmo de Abreu Dallari, aos 90 anos

Dallari faleceu em decorrência de uma insuficiência respiratória — velório acontecerá na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

Dalmo de Abreu Dallari foi professor emérito da Faculdade de Direito da USP
Dalmo de Abreu Dallari foi professor emérito da Faculdade de Direito da USP Reprodução / Cecília Bastos/USP Imagens

Ingrid OliveiraIuri PittaBeatriz Carneiroda CNN

Ouvir notícia

Morreu, nesta sexta-feira (8), o jurista Dalmo de Abreu Dallari, 90 anos, por conta de uma insuficiência respiratória. Ele deixa esposa, 7 filhos, 13 netos e 2 bisnetos.

Segundo a família, o velório será realizado na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, no Largo de São Francisco.

Dallari foi professor emérito da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), da qual também foi diretor.

ELe nasceu em Serra Negra (SP) em 1931 e aos 16 anos, mudou-se para a capital paulista com a família. Ingressou na Faculdade de Direito da USP em 1953, concluindo o curso de Direito em 1957. Em 1963 concorreu à livre-docência em Teoria Geral do Estado e, aprovado, passou a integrar o corpo docente da FD em 1964.

Em 1972, o jurista ajudou a organizar a Comissão Pontifícia de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo, ativa na defesa dos Direitos Humanos.

No ano de 1974, passou a ministrar aulas no curso de pós-graduação da Faculdade de Direito como professor titular de Teoria Geral do Estado. Em 1986, virou diretor — cargo que manteve até o ano de 1990.

De agosto de 1990 a dezembro de 1992 foi secretário dos Negócios Jurídicos da Prefeitura do Município de São Paulo, na gestão da prefeita Luiza Erundina.

Dallari também foi autor de algumas obras, entre elas Elementos de Teoria Geral do Estado.

Entidades lamentam a perda

A Universidade de São Paulo lamentou a morte de Dallari por meio do Twitter.  “Dalmo de Abreu foi professor emérito da Faculdade de Direito da USP, onde se formou e cumpriu longa trajetória acadêmica até chegar ao cargo de diretor”, escreveram.

A Faculdade de Direito da USP também se manifestou:

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) usou seu site para lamentar morte do jurista. Em nota, Lula disse que “o Brasil perdeu hoje um dos seus maiores juristas e defensores dos direitos humanos. Ao longo de 90 anos de vida e mais de 60 anos de atuação profissional, sua trajetória de luta pela democracia foi uma inspiração. Um grande ser humano e um brasileiro imprescindível”.

O vereador Eduardo Suplicy (PT) lamentou a morte do professor Dallari. Em um Tweet, o político transmite a mensagem com tristeza.

 

Mais Recentes da CNN