Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Motorista de Ronnie Lessa é preso em operação contra porte ilegal de armas no Rio

    Luiz Paulo Lemos Junior, conhecido "Juninho" e Chupeta", é apontado como condutor de carro utilizado em crime cometido em 2014

    Carolina FigueiredoElijonas MaiaBruno Laforéda CNN

    Um homem identificado como Luiz Paulo Lemos Junior, conhecido “Juninho” e Chupeta”, foi preso em flagrante, nesta quinta-feira (7), durante uma operação da Polícia Federal, na Ilha do Governador, bairro da zona norte do Rio de Janeiro.

    O preso é apontado pela PF como motorista de Ronnie Lessa em um crime cometido no ano de 2014. Na ocasião, um miliciano e sua namorada foram mortos coma mais de 40 disparos de fuzil.

    A ação de hoje teve o objetivo de apreender 50 armas de fogo irregulares que estavam sob a posse de “Juninho”, que é ex-CAC, por ter tido seu registro cancelado. Parte do armamento foi localizada pelos agentes, que prenderam o suspeito em flagrante.

    Os agentes apreenderam 13 armas e suspeitam da prática de comércio ilegal de armas de fogo, munição e acessórios. A pena para estes crimes pode chegar a 12 anos de prisão, além de multa. Os policiais também localizaram munição com o detido.

    A PF, agora, dará continuidade às investigações para descobrir o paradeiro das arma que não foram localizadas.

    Motorista de Ronnie Lessa

    O ex-policial militar Ronnie Lessa e o ex-vereador do Rio de Janeiro Cristiano Girão respondem judicialmente pelo duplo homicídio do ex-policial André Henrique da Silva Souza, conhecido como André “Zóio”, e da namorada dele, Juliana Sales de Oliveira.

    O crime aconteceu em junho de 2014 na zona oeste da capital fluminense. Luiz Paulo Lemos Junior, o “Juninho” ou “Chupeta”, é apontado como motorista de Lessa na ação.

    Neste caso, Lessa é apontado como um dos autores dos disparos. Girão, segundo a denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro, seria o mandante do crime. De acordo com as investigações, André “Zóio” estaria ameaçando a liderança do ex-vereador na milícia atuante na Gardênia Azul, bairro da Zona Oeste do Rio.

    Os réus tiveram a prisão preventiva decretada por este crime no dia 29 de julho de 2021. A decisão foi mantida em audiência de custódia realizada no dia 31 de julho de 2021.

    Ronnie Lessa é um dos investigados pelo assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, no centro do Rio de Janeiro, em 14 de março de 2018.

    A investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro aponta que um veículo dirigido pelo ex-policial militar Élcio de Queiroz emparelhou com o carro da parlamentar. De dentro do veículo, o sargento reformado da Polícia Militar, Ronnie Lessa, teria atirado ao menos 13 vezes contra o grupo. A vereadora, que estava no banco traseiro, foi alvejada quatro vezes na cabeça enquanto Anderson levou três tiros nas costas.