Prefeitura de SP divulga primeira lista com blocos de Carnaval de Rua em 2022

Realização do evento, no entanto, ainda dependerá de aval sanitário para ocorrer na cidade

Pelo menos 71 cidades do estado já cancelaram a realização do Carnaval
Pelo menos 71 cidades do estado já cancelaram a realização do Carnaval Prefeitura de São Paulo/Divulgação

João Pedro Malarda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

A prefeitura de São Paulo publicou no Diário Oficial da cidade deste sábado (27) a lista com os primeiros blocos do Carnaval de Rua que receberam permissão para desfilar em 2022. Até o momento, porém, a realização do evento não foi confirmada pelas autoridades municipais.

A portaria com a autorização foi assinada pelo secretário municipal das subprefeituras da cidade, Alexandre Modonezi. Segundo o texto, o funcionamento dos blocos dependerá da autorização da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa).

São, ao todo, mais de 100 blocos, com estimativas de público que variam entre 500 até mais de 40 mil pessoas. Eles são divididos pelas subprefeituras da cidade, como as da Sé, Mooca e Lapa. Confira aqui a lista com todos os blocos.

O texto também determina que os blocos precisarão estar portando a autorização de funcionamento durante seus desfiles, cujos trajetos foram submetidos no momento de inscrição.

O secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou na quinta-feira (25) que é favorável ao cancelamento do Réveillon e do Carnaval em 2022, devido aos riscos sanitários.

Já o coordenador-executivo do Comitê Científico do estado, João Gabbardo, disse que ainda é cedo para tomar a decisão sobre a realização do evento.

Pelo menos 71 cidades do estado já cancelaram a realização do Carnaval. A justificativa é o receio com um possível aumento dos casos de Covid-19.

A prefeitura de São Paulo ainda não deu uma previsão de quando tomará a decisão sobre o evento. Entretanto, o secretário municipal de Saúde do município, Edson Aparecido, disse em entrevista à CNN que a decisão caberá à vigilância sanitária.

Mais Recentes da CNN