Proibir cultos presenciais não impede a liberdade religiosa, diz advogado

'As medidas não impedem que pessoas professem sua fé, apenas impedem que pessoas se aglomerem em templos,' disse Bruno Salles

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O advogado criminalista Bruno Salles questionou a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Nunes Marques, de liberar cultos presenciais na pior fase da pandemia do Brasil. Segundo Salles, a alegação do ministro do STF de que a proibição é uma afronta à liberdade religiosa não procede.

“A liberdade religiosa é um argumento questionado no meio jurídico. O isolamento social é diferente de tolher a liberdade religiosa. As medidas não impedem que pessoas professem sua fé, apenas impedem que pessoas se aglomerem em templos,” disse o advogado.

Salles acredita que a decisão será reformada no plenário do STF e diz que o argumento usado por Nunes poderia ser usado por outras categorias para forçar a abertura de estabelecimentos.

O plenário do Supremo Tribunal Federal deve julgar na próxima quarta-feira a questão da realização dos cultos com público, segundo auxiliares do presidente do STF, Luiz Fux. A informação é do analista de política da CNN Igor Gadelha. 

“Nessa linha podemos ter associações de professores ou alunos dizendo que as medidas de isolamento social e fechamento de escolas estão tolhendo sua liberdade de estudar, o que não é verdade.”

Missa presencial culto
Foto: João Gabriel Alves/Enquadrar/Estadão Conteúdo

Mais Recentes da CNN