Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Projeto de gestão de água na região amazônica deve beneficiar mais de mil pessoas

    Parceria entre Fundação Amazônia Sustentável (FAS), Projeto Saúde & Alegria e a Coca-Cola Brasil receberá investimento de R$ 4 milhões

    Anúncio foi feito em evento de sustentabilidade do BID
    Anúncio foi feito em evento de sustentabilidade do BID undefined

    Thiago Félixda CNN

    São Paulo

    A Coca-Cola Brasil anuncia, nesta terça (11), durante a participação da empresa na Semana de Sustentabilidade do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), um investimento de R$ 4 milhões em projetos destinados a promover e garantir o acesso à água segura para comunidades no Amazonas e Pará.

    Operando na região amazônica há 34 anos, a empresa apoia o programa “Água + Acesso”, onde pelo menos 85 comunidades foram beneficiadas, com atendimento de quase 15 mil pessoas no Amazonas, Pará e Bolívia.

    Desde 2017, o programa impactou 183 mil pessoas em 430 comunidades de 10 estados brasileiros, utilizando modelos autossustentáveis pela gestão comunitária da água.

    Entre as instituições parceiras, está a Fundação Amazônia Sustentável (FAS). Em uma nova etapa do projeto, na RDS Piagaçu-Purus, no Amazonas, o acesso à água será estendido a 1.332 pessoas diretamente e 273 indiretamente, abrangendo quatro comunidades ribeirinhas.

    Este aumento representa um crescimento de 19% no número total de comunidades da reserva com poço artesiano.

    “Garantir para as populações das comunidades acesso à água segura, especialmente nesse momento em que as secas dos rios se tornam uma realidade cada vez mais presente, certamente nos faz ter a convicção de estarmos minimizando o sofrimento daqueles que cuidam do nosso ecossistema”, destaca Valcléia Solidade, superintendente de Desenvolvimento Sustentável de Comunidades da FAS.

    Como parte desta iniciativa, quatro sistemas comunitários de captação, tratamento e armazenamento de água serão instalados em escolas municipais rurais de ensino fundamental.

    A tecnologia utilizada nas comunidades inclui fontes de energia sustentável gerada por sistemas fotovoltaicos e uma estação de tratamento de água com filtro de purificação de mineral.

    As instalações terão o poder de gerar ao todo 56 milhões de litros de água potável por ano.