Rio: contrariando prefeitura, organizadores divulgam festas durante o Carnaval  

Ingressos para as festas no período do Carnaval no Rio estão sendo vendidos em sites de compra de ingressos

Por Isabelle Resende, da CNN, no Rio

Ouvir notícia

 

Mesmo com a proibição da prefeitura do Rio, eventos como baile de carnaval, festas com bebida liberada (open bar) e apresentação de ritmistas de escola de samba, com a presença de público, estão sendo divulgadas na internet. 

Os ingressos para as festas no período do Carnaval estão sendo vendidos em sites de compra de ingressos. Os preços variam entre R$ 20 e R$200. Na semana passada, durante entrevista coletiva o prefeito do Rio, Eduardo Paes, recomendou que as pessoas não comprem ingressos para não perder dinheiro. Ele garantiu que não vai permitir que as festas sejam realizadas.

 

A prefeitura do Rio de Janeiro disse que está monitorando a venda de ingressos on line para coibir possíveis festas e bailes clandestinos marcados para os dias de Carnaval.  Além do monitoramento em sites, a prefeitura também apura, via redes sociais, a possibilidade de aglomerações e saídas espontâneas de blocos de rua. O desrespeito às regras por ser enquadrado como crime contra a saúde pública.

Alguns organizadores, chegam a dizer que estão cumprindo a legislação imposta pela prefeitura do Rio de Janeiro, com 2/3 da capacidade, mesas e cadeiras com 2m de distância, uso efetivo de máscara e aparelhos para sanitização. Há eventos organizados para acontecer na Lapa, região boêmia do Rio, Zonal Sul, como Praia do Arpoador e na Zona Oeste. 

Na semana passada, a Prefeitura do Rio publicou um decreto estabelecendo uma série de medidas para o uso de áreas públicas e para as atividades econômicas da cidade durante a semana do carnaval, levando em conta as medidas relacionadas ao combate à Covid-19.  

De acordo com o artigo 2º  do decreto nº 48.500, estão proibidos a concentração e o desfile de escolas de samba e blocos de rua; a concessão de autorização para comércio ambulante temporário e de licenciamento transitório para eventos de blocos carnavalescos; e a entrada na cidade de ônibus e demais veículos fretados, exceto aqueles que prestem serviços regulares para funcionários de empresas ou para hotéis, cujos passageiros comprovem reserva de hospedagem.

Estas normas passam a valer entre a zero hora da próxima sexta-feira, dia 12 de fevereiro (sexta-feira) e só termina às 6h do dia 22 (segunda-feira). A fiscalização ficará a cargo das secretarias municipais de Ordem Pública e de Transportes, da Guarda Municipal, da CET-Rio e do Instituto Municipal de Vigilância Sanitária (Ivisa).

Quem descumprir as regras poderá ter mercadorias, bens móveis e instrumentos musicais apreendidos, ser multado e até ter o estabelecimento interditado. Há também a possibilidade de apreensão ou reboque de veículos e as escolas de samba e blocos que desrespeitarem o decreto podem ser proibidos de desfilar em 2022.

Quanto ao esquema de fiscalização de eventos privados a  Secretaria de Ordem Pública não deu detalhes de como isso será feito.

Mais Recentes da CNN