‘Salvador enfrenta o pior momento da pandemia desde março’, diz prefeito

Em entrevista à CNN nesta quinta-feira (25), prefeito Bruno Reis (DEM) explicou medidas a serem adotadas na cidade a partir desta sexta-feira (26)

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Salvador, que seguirá os passos do governo da Bahia de entrar em lockdown a partir das 17h de sexta-feira (26) até 5h de segunda-feira (1º de março), pode endurecer ainda mais as medidas se os números de casos e mortes por Covid-19 não baixem na cidade. A afirmação é do prefeito Bruno Reis (DEM), que falou sobre o assunto na tarde desta quinta-feira (25) em entrevista à CNN.

“Estamos praticamente com colapso na rede tanto privada quanto pública da capital e grandes e importantes regiões da Bahia. Só irá funcionar no fim de semana delivery e serviços essenciais de alimentação e saúde. Não descartamos a prorrogação ou outras medidas mais duras, como antecipação do toque de recolher ou até mesmo do lockdown”, disse o prefeito, que afirmou que a vacinação de idosos acima de 83 anos e profissionais de saúde, retomada, continuará.

Na sexta-feira (26), o encerramento das atividades comerciais será escalonado. As lojas convencionais de rua encerrarão as atividades às 17h; bares e restaurantes às 18h e shoppings e centros comerciais às 20h.

Reis disse que as cidades da região metropolitana concordaram também em adotar as medidas, para que as pessoas não saiam de Salvador em direção a elas em busca de diversão.

O prefeito afirmou também que, apesar da abertura de leitos e hospitais de campanha tanto na cidade quanto no estado, se os números continuarem crescendo, os espaços não serão suficientes.

“Não temos como prever até quando vai o crescimento desses números, quais outras medidas serão necessárias, mas o fato é que hoje Salvador enfrenta o pior momento da pandemia desde março”.

Há seis dias, a Bahia apresenta nível de ocupação de leitos mais alto do que todo o ano de 2020.

(Publicado por Daniel Fernandes)

Mais Recentes da CNN