Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Uma mulher sofreu violência por hora no Rio de Janeiro em 2022, aponta levantamento

    Dados do Mapa da Mulher Carioca, realizado pela Prefeitura da capital fluminense, apontam que mulheres negras são principais vítimas

    Dossiê tem o objetivo de levantar e comparar dados e indicadores sobre as desigualdades de gênero e raça na cidade do Rio de Janeiro
    Dossiê tem o objetivo de levantar e comparar dados e indicadores sobre as desigualdades de gênero e raça na cidade do Rio de Janeiro Tatiana Maksimova/Getty Images

    Giovanna Bronzeda CNN

    em São Paulo

    Uma mulher sofreu violência por hora no Rio de Janeiro. A informação é do levantamento Mapa da Mulher Carioca 2023, com informações de 2022, realizado pela Prefeitura da capital fluminense, divulgado neste domingo (5).

    O dossiê tem o objetivo de levantar e comparar dados e indicadores sobre as desigualdades de gênero e raça na cidade do Rio de Janeiro.

    De acordo com o dossiê, 15.267 notificações de violência na região metropolitana do Rio de Janeiro foram incluídas no Sistema de Informação da Saúde.

    Vídeo — RJ: 14 mulheres são vítimas de violência por hora no estado

    Dentre esses, a maioria das vítimas é de mulheres negras: 63,4%. A faixa etária mais atingida é a de mulheres adultas, entre 20 e 59 anos.

    Entre os tipos de violência, o destaque está na violência física, que representa 90,2% dos casos entre as mulheres de 20 a 90 anos. Em seguida, aparecem a psicológica (31,9%) e sexual (11,4%).

    Ainda segundo os dados, o agressor está próximo na maioria dos casos: em 54,3% das notificações, os responsáveis eram parceiros ou pessoas conhecidas. Desses, 52,9% eram maridos, ex-maridos, namorados ou ex-namorados.

    A pesquisa também abordou o tema da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, ao evidenciar a desigualdade de gênero nas tarefas domésticas.

    De acordo com o Mapa da Mulher Carioca, as mulheres cariocas gastam em média 19,5 horas por semana para trabalhos domésticos. Já os homens dedicam apenas 12,4 horas para estas tarefas — 36,4% menos.