Mandetta diz à equipe que está nos últimos dias; nº 2 da Saúde é cotado

Ministro intensificou a entrega de algumas promessas da pasta, como o envio de respiradores, para não deixar o ministério acusado de má gestão

Basília Rodrigues e Kenzô Machida, da CNN, em Brasília
15 de abril de 2020 às 05:41 | Atualizado 15 de abril de 2020 às 07:14

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, já avisou à equipe que espera ser demitido ainda nesta semana. No contra-ataque, o ministro intensificou a entrega de algumas promessas da pasta, como o envio de respiradores, para não deixar o ministério acusado de má gestão.

Leia também:
Em reunião ministerial, Bolsonaro manda recado e Mandetta silencia

Ouça trecho de áudio em que Osmar Terra e Onyx conversam sobre saída de Mandetta


Para o lugar dele, o Planalto passou a avaliar o nome do secretário-executivo, João Gabbardo, que é mais próximo do grupo político do ministro Onyx Lorenzoni e do deputado federal Osmar Terra. "A saída seria colocar alguém que já está dentro do processo, já é conhecido. Seria a saída menos traumática", afirmou uma fonte que acompanha as tratativas.

Gabbardo foi secretário de Saúde do Rio Grande do Sul, cargo já ocupado por Terra, com quem trabalhou também. Eles são gaúchos, assim como Lorenzoni.

Atualmente, quando Mandetta viaja ou por outro motivo não possa comparecer nas reuniões e entrevistas, Gabbardo é quem sempre o substitui.

As apostas estão lançadas. Bolsonaro também recebeu sugestão de escolher uma mulher para o comando do ministério da Saúde.