Bolsonaro sinaliza mais mudanças na Saúde e ampliação de atividades essenciais


Teo Cury, da CNN em Brasília
16 de abril de 2020 às 18:54 | Atualizado 16 de abril de 2020 às 20:31
O presidente Jair Bolsonaro ao lado do novo ministro da Saúde, Nelson Teich

O presidente Jair Bolsonaro ao lado do novo ministro da Saúde, Nelson Teich

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Depois de demitir Luiz Henrique Mandetta (DEM) do Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sinalizou nesta quinta-feira (16) em Brasília uma guinada na abordagem do governo diante da pandemia do novo coronavírus, insistindo na necessidade de retomar a atividade econômica.

Bolsonaro disse que o novo ministro da Saúde, Nelson Teich, pensa como ele "em muita coisa" e que "alguns nomes serão trocados com toda certeza" na pasta, mas não citou quem seriam os substitutos. O presidente também voltou a falar na ampliação das atividades consideradas essenciais -- desta vez, via projeto de lei, e não via decreto, como vinha cogitando nas últimas semanas. 

O presidente deu as declarações na entrada do Palácio da Alvorada no fim da tarde, pouco depois de exonerar Luiz Henrique Mandetta (DEM) e nomear Teich. Foi a primeira vez em mais de uma semana que o presidente parou para conversar com jornalistas no local, hábito que era quase diário antes do agravamento das divergências públicas com Mandetta.

A demissão de Mandetta vem depois de semanas de embates entre ele e o presidente sobre a adoção do isolamento social -- defendido pelo ex-ministro -- e o uso amplo da hidroxicloroquina no tratamento da COVID-19, apoiado por Bolsonaro, mas visto com ceticismo pelo antigo ocupante do Ministério da Saúde devido à falta de comprovação científica sobre a eficácia da substância.

'Duas doenças'

Segundo Bolsonaro, a escolha de Teich tem como objetivo atacar simultaneamente os impactos da pandemia do novo coronavírus sobre a saúde pública e a economia.

"Temos duas doenças, essa que está todo mundo dizendo aí, e o desemprego. A ideia do novo ministro é atacar esses dois problemas", disse o presidente.

Bolsonaro voltou a dizer que um colapso econômico será um "problema muito maior que as mazelas do coronavírus". Ao mesmo tempo em que afirmou que o retorno à normalidade "tem que ser de forma pensada", o presidente sinalizou uma ampla retomada de atividades. 

"O que para a gente é atividade essencial: tudo aquilo que é essencial para levar um prato de comida para casa", disse o presidente, repetindo uma frase que falou com frequência nas últimas semanas.

Leia mais:

Há menos de um mês, novo ministro elogiou Mandetta e isolamento em rede social

Demitido, Mandetta agradece Bolsonaro, mas mantém defesa de isolamento social

'Clima de pânico'

O presidente voltou a reclamar do que chamou de "clima de pânico" sobre a pandemia e insistiu na defesa do uso da cloroquina, minimizando estudos que apontam efeitos colaterais graves em pacientes de COVID-19.

"Pode ser que a cloroquina não dê certo, mas você não tem outra alternativa neste momento", disse. "E não tem todo esse efeito colateral que todos dizem."

Segundo Bolsonaro, a cloroquina "é uma oportunidade, é uma chance de a pessoa usar e se curar".

O presidente também retomou a comparação da pandemia com uma "chuva" que precisa ser enfrentada.

“Não adiante se acovardar, ficar dentro de casa. Nós sabemos que a vida é uma só. Sabemos dos pais que estão preocupados com os filhos voltarem à escola. Mas tem que voltar à escola, nós não temos nenhuma notícia de alguém abaixo de 10 anos de idade que contraiu o vírus e foi a óbito ou foi para a UTI", disse.

Segundo dados do Ministério da Saúde, até ontem (15) o país contabilizava sete mortes por COVID-19 de pessoas entre zero e 19 anos.

O presidente disse que a demissão de Mandetta se deveu a um "somatório" de eventos, e não necessariamente por causa da entrevista ao "Fantástico", da TV Globo, quando o ex-ministro reclamou da ausência de uma "fala única" sobre o combate ao coronavírus no governo federal. 

"Tudo é um somatório na vida da gente", disse. "Mas entendo a situação dele."