Assista ao anúncio da demissão de Sergio Moro na íntegra


Da CNN, em São Paulo
24 de abril de 2020 às 15:53 | Atualizado 24 de abril de 2020 às 20:39
 
 

Sergio Moro pediu demissão do cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública, nesta sexta-feira (24), horas depois de o presidente Jair Bolsonaro publicar no Diário Oficial da União (DOU) a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal (PF), Mauricio Valeixo.

Os colunistas da CNN Caio Junqueira e Daniel Adjuto adiantaram que Moro havia avisado a assessores, na manhã desta sexta, que pediria demissão do cargo que ocupa desde janeiro de 2019.

"Pra mim, esse ultimo ato [a exoneração de Valeixo] é uma sinalização que o presidente me quer realmente fora do cargo. Essa precipitação na exoneração, não vejo muita justificativa", disse Moro.

Assista e leia também:

'Presidente não me quer no cargo': as principais frases da demissão de Moro

Saída de Moro arrefece esforço de transformação do Brasil, diz Barroso

Como superministro, Sergio Moro acumula reveses e embates com Planalto

STF recebe primeira ação contra Bolsonaro após declarações de Moro

Análise: Governo perde patrimônio nacional e sofre rompimento irreparável

"A exoneração, fiquei sabendo pelo DOU. Não assinei esse decreto. Em nenhum momento isso me foi trazido, em nenhum momento o diretor da PF apresentou um pedido formal de exoneração", afirmou. "Eu fui surpreendido, achei que isso foi ofensivo." O Diário Oficial trouxe a informação que a exoneração havia sido feito "a pedido" do ex-diretor-geral da PF, o que, de acordo com Moro, não é verdade.

Moro afirmou que vê a troca no comando da PF com muita preocupação por considerar tratar-se de uma interferência política do presidente. Ele afirmou também que Bolsonaro, em mais de uma ocasião, expressou que queria um diretor na instituição que fosse da confiança dele.

Horas depois, Moro enviou carta de demissão a Bolsonaro e os nomes de quatro cotados para substitui-lo estavam em pauta, segundo apurou o analista político da CNN, Caio Junqueira.