Com saída de Teich, quem são os cotados para o Ministério da Saúde


Da CNN, em São Paulo
16 de Maio de 2020 às 13:08 | Atualizado 19 de Maio de 2020 às 12:25

Com a demissão de Nelson Teich do Ministério da Saúde – o segundo ministro a deixar a pasta em um mês –, outros médicos e também um militar aparecerem como os mais cotados para assumir a vaga.

O primeiro deles é o general Eduardo Pazuello, nomeado no fim de abril para o cargo de secretário-executivo do Ministério durante a curta gestão de Teich – ele havia assumido a pasta em 16 de abril.

Além dele, são considerados os médicos Nise Yamaguchi, Luiz Cláudio Fróes e Osmar Terra, que também é deputado federal. Recentemente, também ganhou força o nome de Ítalo Marsili que, apesar de não ter registro no Conselho Federal de Medicina fez residência médica em psquiatria.

Leia também:

Análise: Nelson Teich deixa cargo por pressões sobre uso da cloroquina

Teich diz que escolheu sair e deixa Ministério da Saúde sem responder perguntas

Oncologista e imunologista, Yamaguchi ganhou destaque no governo por seu apoio ao uso da hidroxicloroquina, remédio defendido por Jair Bolsonaro contra o novo coronavírus.

Já Fróes o atual diretor de Saúde da Marinha e, segundo fontes ouvidas pela CNN, já teria sido sugerido ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como um bom ministro na época da demissão de Luiz Henrique Mandetta.

Terra é um nome que sempre aparece em discussões sobre a troca na gestão do Ministério da Saúde. Ele foi cotado para substituir Mandetta, em abril, e atua como consultor de Bolsonaro sobre a pandemia de Covid-19.

Marsili destacou em seu currículo que morou com o escritor Olavo de Carvalho nos Estados Unidos entre 2007 e 2008. Nas redes sociais, em vídeos e entrevistas, ele se apresenta como psiquiatra

Eduardo Pazuello

Eduardo Pazuello

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, general Eduardo Pazuello, durante reunião em Manaus (AM)

Foto: Erasmo Salomão/Divulgação/M. da Saúde

Natural do Rio de Janeiro, Pazuello é formado pela Academia Militar das Agulhas Negras, em 1984. Participou de Operações no Centro de Instrução de Guerra na Selva, em Manaus (AM) e, assim como o presidente Jair Bolsonaro e outros militares, tem o curso de paraquedista.

Entre outras funções de destaque, trabalhou na assessoria de planejamento, no comando da Base de Apoio Logístico do Exército e na coordenação logística das Tropas do Exército Brasileiro empregadas nos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos no Rio de Janeiro, em 2016.

Também prestou serviços ao governo durante a presidência de Michel Temer quando assumiu a coordenação da Operação Acolhida, que cuida de refugiados da Venezuela em Roraima.

Em 29 de abril, foi anunciado por Teich para ocupar a posição de secretário-executivo do Ministério da Saúde. Sem experiência de atuação na área de saúde, ele substituiu o médico João Gabbardo, nomeado para a posição durante a gestão de Mandetta. Segundo Teich, Pazuello foi escolhido por sua capacidade na gestão de logística, considerada por ele uma das principais necessidades para a atual crise derivada da pandemia do novo coronavírus. 

Nise Yamaguchi

A médica oncologista Nise Yamaguchi

A médica oncologista Nise Yamaguchi

Foto: Reprodução/Youtube

A oncologista e imunologista Nise Yamaguchi, que trabalha no hospital Albert Einstein, em São Paulo, era uma das opções cotadas para assumir o cargo em abril, após a demissão de Mandetta. Ela voltou a aparcer entre os favoritos após se reunir, ontem, com o presidente, minutos antes de Teich entregar seu pedido de demissão.

A médica ficou conhecida por sua defesa pública do uso da hidroxicloroquina, normalmente recomendada para o tratamento da malária e do lúpus, em pacientes com Covid-19. Em entrevista à CNN em abril, Yamaguchi defendeu o tratamento com o fármaco, embora estudos já coloquem em cheque a eficácia do medicamento, e a comunidade médica alerte para os efeitos colaterais.

De acordo com Caio Junqueira, colunista da CNN, o governo deu a ela a missão de reunir toda a produção científica sobre a cloroquina no Brasil e no mundo e liderar um processo de flexibilização da legislação sobre o medicamento de modo que facilite sua prescrição para os pacientes. 

A profissional também é defensora do chamado isolamento vertical, em que só os indivíduos nos grupos de risco da doença se resguardariam. A estratégia é apoiada por Bolsonaro, mas vai contra o isolamento amplo recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e adotado na maioria dos estados brasileiros.

Luiz Cláudio Fróes

O almirante Luiz Fróes em palestra

O almirante Luiz Fróes em palestra

Foto: Divulgação -15.out.2019/Marinha do Brasil

Desde maio de 2019 é diretor de Saúde da Marinha. Antes, foi diretor do Hospital Naval Marcílio Dias, no Rio de Janeiro, e diretor médico do Hospital das Forças Armadas.

Também já atuou em Brasília. De 2015 a 2017, foi diretor do Departamento de Saúde e Assistência Social do Ministério da Defesa.

Segundo fontes ouvidas pela CNN, foi um dos nomes sugeridos a Bolsonaro para substituir Mandetta. Na ocasião, porém, o presidente acabou optando por alguém que tivesse endosso da classe médica, caso de Nelson Teich.

Osmar Terra

Osmar Terra

Ex-ministro da Cidadania e deputado federal Osmar Terra

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Outro nome que voltou a ganhar peso foi o do deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), ex-ministro da Cidadania, e defensor do relaxamento da quarentena imposta por governadores. Em abril, o Planalto chegou a avaliar a substituição de Mandetta por Terra, que é médico.

Ele foi, inclusive, flagrado em uma conversa com ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, sobre a substituição do ex-ministro da Saúde e a mudança da política do governo de enfrentamento ao coronavírus no Brasil.  

Terra já foi secretário de Saúde do estado do Rio Grande do Sul, quando enfrentou a pandemia do H1N1. Atualmente, tem atuado como consultor de Bolsonaro sobre a pandemia, e é bem mais alinhado com as ideias do presidente – sobre cloroquina e isolamento – do que eram Mandetta e Teich.

Ítalo Marsili

Ítalo Marsili

O nome do médico Ítalo Marsili ganhou força nas redes sociais

Foto: Reprodução/Youtube

O nome do médico ganhou força principalmente nas redes sociais nos últimos dias. Parlamentares e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro passaram a defender abertamente que ele assuma a pasta após o pedido de demissão de Teich. 

Em vídeos e entrevistas, ele se apresenta como psiquiatra, mas não tem título de psiquiatra registrado junto ao Conselho Federal de Medicina nem à Associação Brasileira de Psiquiatria. Ele tem, porém, residência médica em Psiquiatria e se formou no Instituto de Psiquatria (Ipub) da UFRJ, no primeiro semestre de 2015.

Na segunda-feira (18), Ítalo desembarcou em Brasília na expectativa de um encontro com o presidente. No instagram, onde tem mais de um milhão de seguidores, afirmou que aceitaria assumir a pasta. "O povo quer alguém com personalidade, que não fuja do combate e devolva a esperança, que enfrente a mídia, ponha ordem na casa sendo leal ao Brasil e ao governo", escreveu.

Marsili destacou em seu currículo que morou com o escritor Olavo de Carvalho nos Estados Unidos entre 2007 e 2008.