Mario Frias é o mais cotado para Secretaria de Cultura, afirma Carla Zambelli

Segundo a deputada, o presidente Jair Bolsonaro trocou Regina Duarte de função para não deixá-la "desamparada". Atriz vai comandar a Cinemateca Brasileira

Da CNN, em São Paulo
20 de maio de 2020 às 15:22 | Atualizado 20 de maio de 2020 às 15:22

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) disse à CNN nesta quarta-feira (20) que o ator e apresentador Mario Frias é o mais cotado para substituir a atriz Regina Duarte na Secretaria Especial da Cultura. Ela anunciou nesta manhã que deixará o cargo.

Zambelli confirmou que Frias e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se reuniram, mas informou que um "convite ainda não foi formalizado".

"Ele realmente esteve no Palácio do Planalto ontem com o presidente. Acho que eles estão se conhecendo ou, como diria o presidente, talvez estejam namorando para ver se vai rolar um noivado, mas o martelo não está batido ainda. Ao que tudo indica, ele é a pessoa mais cotada", declarou.

Amiga do ator e apresentador, a deputada avaliou que ele preenche requisitos para comandar a secretaria.

"Acho que ele combina bastante com o modelo de governo que o presidente pensa para o Brasil. Ele conhece a classe artística e tem visão de gestor, que eu acho que é o que a gente precisa para a secretaria", afirmou. "Como deputada, eu só desejo sorte, e caberá ao presidente saber se esse é o nome ideal para a Cultura".

Em entrevista à CNN no início do mês, Mario Frias declarou que “seria uma honra” assumir o cargo e que se considera apto para tal função.

"[Aceitaria] sem dúvida. Não tenho medo disso, não. Tenho vontade, tenho conhecimento e não tenho pretensão nenhuma de ser o dono da verdade. Se essa oportunidade vier para mim, vou montar um time de primeira", afirmou. 

Leia também:

Bolsonaro disse a Regina Duarte não querer que ela ficasse "desamparada"
"Vou lutar sempre por escapar do ambiente raivoso", diz Regina Duarte em post

Zambelli frisou que Regina Duarte segue na secretaria pelos próximos dias e que ela continua no governo, ainda que em outra função -- no caso, o comando da Cinemateca Brasileira, em São Paulo.

"Regina mostrou que vai ser mais feliz se voltar para perto da familia. E ela não sai do governo. Ela troca de função e vai cuidar de algo mais específico em São Paulo para ficar perto da família", afirmou a deputada.

Segundo a deputada, Bolsonaro trocou Regina de função para não deixá-la "desamparada".

"Houve a comunicação que a Regina gostaria de voltar para São Paulo e o presidente, preocupado com o fato de ela ter rompido com a TV Globo e para que ela não ficasse desamparada, conversou sobre a possibilidade de ela assumir uma função em um local importantíssimo", acrescentou.