Regina Duarte deixa comando da Secretaria de Cultura


Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN   Da CNN, em São Paulo
20 de maio de 2020 às 10:04 | Atualizado 20 de maio de 2020 às 10:52

A atriz Regina Duarte vai deixar o comando da Secretaria de Cultura. A informação foi divulgada pela analista de política Basília Rodrigues, da CNN, na manhã desta quarta-feira (20) e confirmada pelo presidente e pela própria atriz por meio das redes sociais de Bolsonaro. A artista se encontrou com o presidente nesta manhã e acertou um "tom de saída honrosa". Conforme a CNN antecipou, o nome mais forte para substituir Regina é o do ator Mário Frias.

Leia também:

‘Vamos esperar a Câmara’, diz Bolsonaro sobre adiamento do Enem
Análise: Pazuello consolida desejo de Bolsonaro por novo protocolo da cloroquina

Segundo a atriz, ela ganhou um presente, que é comandar a Cinemateca Brasileira em São Paulo. De acordo com o presidente, a Regina Duarte sente falta da família em São Paulo e participará da transição.

A deputada federal Carla Zambelli também esteve na reunião e disse à CNN que Bolsonaro gosta muito da atriz, que Regina está sentindo falta da família, o que é apontado como razão para a mudança.
Com a saída do comando da secretaria, ela poderia voltar a morar em São Paulo.

Após uma entrevista exclusiva à CNN, no dia 7 de maio, a então secretária de Cultura recebeu críticas da classe artística por minimizar a ditadura afirmando que “sempre houve tortura e que não quer arrastar um cemitério”.

Após a fala na entrevista, Regina Duarte desconversou sobre o tema, cantando trecho do jingle da Copa de 1970. Na oportunidade, a atriz afirmou que descartava a demissão e que pretendia permanecer no governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A entrevista foi interrompida pela secretária após a exibição de um depoimento enviado nesta quinta à CNN pela atriz Maitê Proença (clique aqui para assistir à íntegra).