Médico olavista assumirá secretaria oferecida a Carlos Wizard na Saúde

Oftalmologista, que já tinha cargo no Ministério da Saúde, foi nomeado secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos

Diego Freire, da CNN, em São Paulo
18 de junho de 2020 às 00:20 | Atualizado 18 de junho de 2020 às 14:18
Hélio Angotti Neto, secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde
Foto: Instagram/ Reprodução

Em portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (18), o médico Hélio Angotti Neto foi nomeado secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde. No início de junho, o empresário Carlos Wizard Martins foi anunciado no cargo, mas não chegou a ser nomeado e desistiu de assumir dias depois.

A nomeação foi assinada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto.

Hélio Angotti Neto já fazia parte da equipe do Ministério da Saúde, como diretor do Departamento de Gestão da Educação na Saúde, e fica exonerado de sua antiga função.

Livros

Hélio Angotti Neto é ofalmologista, formado pela Universidade Federal do Espírito Santo, e se especializou pelo Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo. Pela faculdade de Medicina da USP, concluiu um doutorado em Ciências Médicas.

O novo secretário de insumos estratégicos é autor ou co-autor de diversos livros sobre medicina, abordando questões sobre a ética na profissão, com críticas, por exemplo, à descriminalização do aborto - entre as obras, constam os títulos Disbioética; Bioética: Vida, Valor e Verdade; A Tradição da Medicina; e Arte Médica

Na sinopse de um de seus livros, A Morte da Medicina, é sustentado que, para o autor, "a medicina, como ciência, deveria estar de fora de quaisquer tentativas de manipulação político-ideológica, que são sempre justificadas através de argumentações absurdas e totalmente anti-científicas".

O livro afirma que as ciências foram sequestradas por um "discurso obscuro, que consagra o relativismo como uma regra geral" e aponta "desvios conceituais em relação ao valor da vida humana". Angotti conclui que "a medicina corre sério perigo de se tornar apenas um instrumento de engenharia social para atender às demandas puramente ideológicas de uma revolução cultural e ética destinada a modificar valores, atitudes e comportamentos".

Em uma postagem no Instagram, Hélio mostra que presenteou Olavo de Carvalho com um de seus livros e escreveu: "presente para o professor. A teoria aristotélica dos quatro discursos é um dos fundamentos essenciais do método discursivo que proponho para a Bioética".

O médico possui um blog pessoal e um canal de Youtube sobre medicina e filosofia, nos quais faz diversas referências a Olavo. 

 

Carlos Wizard

Dono da holding Sforza, que é dona de marcas como Mundo Verde, Wise Up e Pizza Hut, no Brasil, o empresário Carlos Wizard Martins desistiu, em 7 de junho, de ser secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos.

Antes mesmo de assumir, o empresário recebeu críticas após defender a revisão dos números de casos confirmados e de mortos da Covid-19 no Brasil. Segundo ele, as estatísticas estariam maiores que a realidade.

Ao comunicar que recusaria o cargo na Saúde, Wizard se retratou. “Peço desculpas por qualquer ato ou declaração de minha autoria que tenha sido interpretada como desrespeito aos familiares das vítimas da Covid-19 ou profissionais de saúde que assumiram a nobre missão de salvar vidas”.  

Em nota, o Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) disse que a afirmação de Wizard era uma “tentativa autoritária, insensível, desumana e anti-ética de dar invisibilidade aos mortos pela Covid-19".

Leia a carta de desistência de Carlos Wizard Martins:

“Informo que hoje (7/junho) deixo de atuar como Conselheiro do Ministério da Saúde, na condição pro bono. Além disso, recebi o convite para assumir a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos da pasta.

Agradeço ao ministro Eduardo Pazuello pela confiança, porém decidi não aceitar para continuar me dedicando de forma solidária e independente aos trabalhos sociais que iniciei em 2018 em Roraima.

Peço desculpas por qualquer ato ou declaração de minha autoria que tenha sido interpretada como desrespeito aos familiares das vítimas da Covid-19 ou profissionais de saúde que assumiram a nobre missão de salvar vidas.”