Luciana Pires e Rodrigo Roca vão defender Flávio Bolsonaro no caso Queiroz


Leandro Resende, da CNN, no Rio de Janeiro
22 de junho de 2020 às 06:39 | Atualizado 22 de junho de 2020 às 08:19

A CNN apurou que o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) será defendido pelos advogados Luciana Pires e Rodrigo Roca no caso das supostas "rachadinhas", que levou à prisão o ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz, na última quinta-feira (18).

Luciana Pires é a advogada que defende o senador em um outro caso, que apura indícios de falsidade ideológica eleitoral, referente às declarações de bens à Justiça Eleitoral em 2018. Ela pretende pedir a suspeição do juiz Flávio Itabaiana, que além do caso das "rachadinhas", também é o juiz que cuida dessa investigação no âmbito eleitoral.

Pires é especialista em direito penal militar e já trabalhou na defesa de politicos do Rio de Janeiro. Já Rodrigo Roca atuou na defesa do ex-governador do Rio Sérgio Cabral, preso em 2016. Ele deixou o caso quando Cabral passou a tentar fechar acordo de delação premiada com os investigadores da Operação Lava Jato.

A CNN solicitou um posicionamento dos advogados sobre qual linha a defesa deve seguir, mas ainda nao obteve resposta.

Em entrevista exclusiva ao âncora Caio Junqueira neste domingo (21), o advogado Frederick Wassef anunciou sua saída do caso. "Assumo total responsabilidade e estou saindo do caso, subestabelecendo para outro colega. Ficarei fora do caso para que não me usem", declarou. O advogado afirma que os ataques contra ele têm o objetivo de atingir o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Leia também:

Prisão de Queiroz será base para primeira denúncia contra 'rachadinha'

Fabrício Queiroz fez tratamento com urologista em Bragança Paulista

Em velório, Bolsonaro diz que missão das Forças Armadas é defender democracia

Ele também pediu desculpa ao presidente Jair Bolsonaro e a seu filho Flávio por "todo e qualquer dano que tenha causado". "Eu peço desculpa ao presidente e ao senador e assumo total responsabilidade", afirmou.

Em um tuíte logo após a entrevista, o senador agradeceu ao advogado. "Lealdade e a competência do advogado Frederick Wassef são ímpares e insubstituíveis. Contudo, por decisão dele e contra a minha vontade, acreditando que está sendo usado para prejudicar a mim e ao presidente Bolsonaro, deixa a causa mesmo ciente de que nada fez de errado."