Militares estão sujeitos a críticas quando ocupam cargos políticos, diz Dino


Da CNN, em São Paulo
13 de julho de 2020 às 18:29 | Atualizado 13 de julho de 2020 às 18:42

Em entrevista para a CNN, o governador do Maranhão, Flávio Dino abordou a tensão entre militares e o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, que em uma live disse que o exército está se “associando a um genocídio” ao participar da gestão do Ministério da Saúde. Ele disse que a fala de Gilmar foi um “convite à reflexão” e que não deveria ter gerado “reações corporativistas.”

“O ministro Gilmar apontou um problema grave que temos, que é a alta ocupação de cargos do serviço público civil por militares. Isso é constitucionalmente perigoso. Do ponto de vista jurídico não há razão para essas reações corporativistas,” disse Dino. “Os militares não aceitam críticas e se acham intocáveis. No momento que eles exercem funções políticas, serão criticados.”

Leia também

Aliados de Bolsonaro tentam pacificar relação entre governo e Gilmar Mendes

Gilmar 'não foi feliz' ao criticar membros do Exército na Saúde, diz Mourão
Novo ministro deve manter indicados da ala ideológica e do centrão no MEC

Dino também falou do novo ministro da Educação, Milton Ribeiro. Ele disse não conhecer o novo chefe da pasta e que por seu currículo não o traria para sua gestão, mas elogiou o fato de Ribeiro ter experiência no assunto.

“Estamos há um ano e meio sem ministro. Esse senhor agora nomeado tem atuação na área. Espero que o ministro possa abandonar crenças pessoais e colocar em primeiro lugar o interesse público. A educação brasileira tem desafios dramáticos como o Fundeb, o Enem e o calendário escolar, que tem diretriz neste momento.”

(Edição: Leonardo Lellis)