Ministro da Educação alerta equipe que fará novas substituições

Milton Ribeiro afirmou que respeita o trabalho de todos, em um breve discurso a cerca de 70 funcionários do ministério

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
17 de julho de 2020 às 10:26 | Atualizado 17 de julho de 2020 às 10:36

O novo ministro da Educação, Milton Ribeiro, alertou a equipe que fará substituições na pasta e pediu que ninguém considere as mudanças como um demérito. Ribeiro afirmou que respeita o trabalho de todos, em um breve discurso a cerca de 70 funcionários do ministério nesta quinta-feira, durante recepção realizada após a cerimônia de posse.

Antonio Vogel, que deixará o cargo de secretário-executivo, segundo posto mais importante do ministério, também discursou e se colocou à disposição para a transição. Entre os cotados para o lugar dele, sem citar nomes, fontes do ministério afirmam que uma pessoa que participou da campanha de Jair Bolsonaro, em 2018, foi sondada.

Outros secretários também tiveram a demissão exigida por políticos e chamada ala ideológica.

Leia também:

Novo ministro da Educação toma posse defendendo autoridade do professor

Planalto sonda assessor ligado a deputados bolsonaristas para número 2 do MEC

Ao assumir MEC, Milton Ribeiro renuncia a posto na Comissão de Ética Pública

Weintraub

Servidores da pasta com quem a CNN conversou ressaltaram a diferença entre o tom do discurso do novo ministro e o utilizado pelo ex-ministro Abraham Weintraub quando ele chegou à pasta.

Em abril do ano passado, ao ser recebido pelos servidores da pasta em um encontro similar, Weintraub afirmou que iria decretar a paz no Ministério da Educação e fez provocações. "Quem não concorda com ela (a paz), por favor, avise, porque vai ser retirado. Não significa 'vamos ser amiguinhos'. Quem continuar na guerra, batendo, está fora", disse na ocasião.

De acordo com relatos dos servidores, Milton Ribeiro se mostrou "muito diferente" e deixou a guerra cultural "de fora" - como é chamada a pauta ideológica contra a esquerda.

De acordo com os relatos, o ministro, que é reverendo, também ressaltou que não aceitou virar ministro para enriquecer, prometeu manter boa conduta no serviço público. 

Ele esteve no ministério com a família, está de mudança para Brasília, e deverá ter reuniões técnicas com a equipe na próxima semana.