Auditor do TCU é investigado em operação que mira desvios no Sistema S

Segundo analista de Política da CNN, Renata Agostini, avaliação é que é preciso analisar provas

Da CNN
09 de setembro de 2020 às 15:21 | Atualizado 09 de setembro de 2020 às 15:39
 

Entre os alvos da operação da Lava Jato no Rio de Janeiro para apurar suspeitas de fraude no Sistema S está o nome de um auditor externo do Tribunal de Contas da União. A informação é da analista de Política da CNN, Renata Agostini.

"Nesse caso a avaliação é que é preciso olhar o que há de provas e inevitavelmente o caminho é o que chamam de PAD, um processo administrativo para investigar mais a fundo. É uma medida que o TCU antecipa que vai ter que tomar para se proteger", explica Agostini, que acrescenta que, pelo critério de distribuição, as análises que envolvem o Sistema S são feitas por ministros substitutos.

Leia também:
Advogado de Lula diz que operação é ‘atentado à advocacia e retaliação’
Denúncia aponta lobby de filho do presidente do STJ na corte

Lava Jato: agentes deixam a sede da PF para a operação que mira desvio de mais de R$ 150 mi no Sesc e Senac no RJ
Foto: Reprodução/CNN (9.set.2020)

A operação

A ação tem como base a colaboração premiada de Orlando Diniz, ex-presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio/RJ). São cumpridos 51 mandados de busca e apreensão em escritórios de advocacia no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Alagoas, Ceará e Pernambubo. Os mandados foram expedidos pelo juiz Marcelo Bretas da 7ª Vara Federal Criminal.

Segundo a denúncia de 511 páginas, de R$ 355 milhões gastos em contratos de advocacia por serviços prestados à Fecomércio/RJ, pelo menos R$ 151 milhões foram desviados em esquema liderado por Diniz. Além do ex-presidente da Fecomércio-RJ, outras 25 pessoas foram denunciadas por organização criminosa, estelionato, corrupção (ativa e passiva), peculato, tráfico de influência e exploração de prestígio.

(Edição: Leonardo Lellis)